Browsing Category

Cursos

Feminismo

03/10/2018

A imagem é a capa da revista Utne Reader, de Maio de 1967, com chamada para um artigo cujo título é:

o que é o feminismo hoje? feminismo

Na tentativa de definir feminismo, muitas das que se dizem feministas acabam a estrangular verbalmente muitas mulheres. Votando-as ao isolamento quando defendem causas e acusam mulheres de serem machistas por não subscreverem que uma mulher feminista e feminina é apenas o que dizem ser. Prejudicando mais do que contribuindo para a causa. Tentando inclusive afastar os homens da mesma.

Definindo o feminismo de acordo com a sua própria definição do que é ser mulher.

Quando fariam melhor se trouxessem os homens para o debate. Os incluíssem no processo, para que estes integrem as características do feminino nas suas consciências. Ajudando as mulheres a integrar o masculino nas suas próprias consciências.

Nos anos 60 como hoje…

Uma mulher não é menos mulher porque se casa e vive para o marido e o casamento. (Hera)

Uma mulher não é menos mulher porque escolhe ser sexualmente livre, sorrir, sentir-se bem no seu corpo, maquilhar-se. (Afrodite)

Uma mulher não é menos mulher por querer ser apenas mãe, como se fosse pouco. Por escolher ficar em casa a cuidar dos filhos e a cozinhar (Deméter).

Uma mulher não é menos mulher, nem lésbica, por não depender de homem nenhum, sequer de um relacionamento, para se sentir realizada. (Artémis)

Uma mulher não é menos mulher por se dedicar exclusivamente à carreira, optando por não ter filhos. (Atena)

Uma mulher não é menos mulher, nem bruxa, por ser introspetiva, quase infantil, por ter uma conexão com o inconsciente de onde obtém conhecimento e sabedoria, que não é menos conhecimento e menos sabedoria por não ser cientificamente provado. (Perséfone)

Uma mulher não é menos mulher por querer ficar em casa, não gostar de discutir os assuntos do mundo, preferir ficar na sua, ser sábia, de confiança, reclusa (Héstia)

Uma mulher não é menos mulher por fazer as suas próprias escolhas, mesmo que vão contra o que achamos pouco digno, superficial, uma perda de tempo.

Muito menos ser socialmente ostracizada pelas escolhas que faz.

Ou prejudicada no seu trabalho pelo simples facto de ser mulher.

Ser feminina, e feminista, é abraçar todas as causas das mulheres. É protegê-las, no sentido de as orientar, quando não têm idade ou maturidade emocional para tal. E, ainda assim, deixá-las livremente decidir o que é melhor para si. Sem paternalismo. Sem procurar controlar ou exercer qualquer tipo de poder sobre as suas companheiras de género.

Por mais que nos custe….

E a única coisa a fazer é dotar todas as mulheres de força emocional para que possam dizer sim, não, talvez ao que quiserem.

Guerreira

27/09/2018

Descrevem-me amiúde como Guerreira. Até numa dedicatória de um livro me atribuíram esse epíteto. É o que veem de mim. E eu nem sei bem o que isso quer dizer.

Já para não falar que sequer me revejo nesse papel…

Às vezes, confesso, até me deixa impaciente. Embora lhe reconheça projeção. Por não corresponder à verdade. Por saber da missa toda, não apenas da metade… Conheço o lado obscuro, o lado sensível, o lado criativo, artístico, a dúvida, a auto-cobrança, a desconfiança. Conheço muita coisa que talvez não transpareça. 

Já para não falar na responsabilidade que tamanho atributo acarreta

Felizmente, não vivo para corresponder a expectativas. Ao que os outros esperam de mim, se é que esperam alguma coisa… Há muito tempo. Quem dita quem sou, o que quero, como me posiciono, o que faço, escrevo, digo, sou eu… Embora muitas vezes ainda caia na falácia da provocação. Há botões que persistem em ser acionados a cada vez que estão em causa valores que me são caros.

E ainda bem…

Reconheço-me forte, reergo-me das cinzas com uma força e um entusiasmo de certa forma admiráveis, por não permitir que a minha essência se anule em prol do que me acontece. Não sucumbo perante as dificuldades, há em mim uma vontade férrea de me manter de pé.

Mas não me revejo no atributo de guerreira

Porque o meu lado sensível, emocional, sentimental é muito mais forte e muito mais condizente com a minha verdadeira natureza.

A nossa cabeça pode enganar-nos, iludir-nos, mas o corpo não mente. E a prova inequívoca é o que se me é revelado na vivência das aulas de Biodanza.

Já desconfiava, mas, na última terça-feira tive a confirmação. Vi-me e senti-me a dançar, de vestido vermelho e cabelos longos, indomável, sensual. Numa celebração qualquer. Alheada de tudo, apenas entregue à dança, ao movimento, às sensações, indiferente aos olhares alheios, em volta de uma fogueira, num tempo que não reconheço, numa civilização que me é estranha. E, nessa dança, vi todo o meu potencial. Reconheci todo o meu poder. É esse, que vem de dentro. Que é confiante, sem ser intimidante. E em perfeita sintonia e conexão com a natureza.

Entre Atena e Afrodite, prefiro Afrodite.

Com um bocadinho da natureza selvagem de Artémis. Confiante, mas com um sorriso. Inteira, mas não distante, inacessível, inatingível.

E Atena é alheada do sentimento, que lhe confere poder. Eu não quero o poder per se, não me interessa. prefiro de longe a autenticidade, a espontaneidade, à persona.  I crave connection. Que só se consegue com aproximação, não com distanciamento, isolamento, alienação do que se passa no coração.

Inconsciente Coletivo

26/09/2018

Um dos mais significativos contributos de Carl Jung para a Humanidade foi o conceito de Inconsciente Coletivo. Apenas reconhecido pela sua linha de psicologia, a psicologia analítica.

Corresponde à camada mais profunda e mais ancestral da nossa psique e diz-nos, no fundo, que todos somos um. Com base na teoria dos arquétipos, os personagens que habitam este inconsciente, Jung defende que os seus padrões, potenciais, estão presentes em cada um de nós e determinam muitas vezes inúmeras das nossas ações e inações. inconsciente coletivo

A maioria das pessoas chama-lhe vidas passadas

Provavelmente, por não conseguirem explicá-lo de outra forma. Dada a ausência de relação com a experiência individual. Pois o que está armazenado na nossa memória coletiva é tudo o que foi vivido e não processado pelos nossos ancestrais.

Causando sombra, medo, castração, inibição.

Uma forma de nos apercebermos dos potenciais arquetípicos em nós, vivenciados ou não, é conhecer os mitos gregos (no caso da civilização ocidental, outras civilizações têm outros mitos, mas com base nos mesmos arquétipos).

E os padrões de personalidade dos respetivos deuses.

Ontem, a ler sobre a parceria Artémis-Perséfone, os arquétipos mais presentes na minha consciência, apercebi-me de como o patriarcado me influencia. E porque me irrita tanto a conversa esotérica, sem base científica, lógica, racional (características do patriarcado, que anulou o feminino).

Quando um grupo qualquer é perseguido ou vitimizado, aprende a sentir-se impotente e culpado por aquilo que pode ou não ter cometido. Isso é, sem dúvida, o que aconteceu no final da Idade Média com os milhões de mulheres Perséfone-Artémis, que eram curandeiras, parteiras, xamanesas, videntes ou simplesmente excêntricas. (…) Na sociedade comum, a antiga paranoia cristã ainda paira na consciência patriarcal, disfarçada de desprezo racionalista.

É importante a consciência crítica de Atena

A mais racionalista das deusas e, por isso, a preferida do pai Zeus, para dar fundamento ao que pulsa no inconsciente. E, acima de tudo, para que os seus conteúdos possam ser acolhidos pela comunidade. Que ainda é quase exclusivamente patriarcal. Ainda sofre com a memória do que aconteceu a milhares de mulheres Artémis-Perséfone, que ameaçavam o masculino e a sede de controlo e poder.

A memória do que aconteceu com essas mulheres está enraizada no inconsciente coletivo. O medo delas também. Do que representavam: a liberdade, o acesso ao inconsciente, fonte de sabedoria milenar, a sabedoria feminina, intuitiva, que ameaça a sociedade de consumo e demais instâncias de poder e co-dependência.

Autoconhecimento segue sendo urgente…

Nomeadamente, o contacto com a intuição, a sabedoria feminina, que equilibra com o patriarcal e traz Eros para todas, todas as decisões e discussões. Sem Eros não há vida, há projeção, neurose, ignorância, radicalismo, fundamentalismo.

Negar o inconsciente coletivo é perder uma oportunidade imensa de nos apaziguarmos com o que não conseguimos explicar, apenas sentir. O que tem feito por mim vai além do mágico, é sublime.

Os mitos gregos parecem uma realidade demasiado distante para que os tenhamos na devida conta.

No entanto, estão presentes em cada escolha.

Em cada medo, em cada projeção, em cada neurose, em cada área que consideramos vida. Tudo o que é vida é arquetípico. E é um desperdício de potencial não conhecer o que cada arquétipo traz para a vida de todos os dias. Acima de tudo, para os nossos relacionamentos, causando isolamento, self-doubt, ausência de conexão. O que resulta em dependência, pois deixa-nos à mercê dos outros, das suas escolhas, decisões, medos, fobias, neuroses…

Pode ser confortável, mas não é real. A vida que temos para viver continua à nossa espera. E vai cobrar-nos, de uma forma ou de outra, que a honremos e a vivamos. Com autenticidade.

As deusas e eu

06/09/2018

A primeira vez que preenchi o questionário sobre as deusas gregas, há uns oito anos, lembro-me que o resultado foi igual, ou seja, que os meus dois arquétipos preferenciais são Artémis, destacadíssima, e Perséfone.

Basicamente, mantém-se tudo. 

Variam as percentagens. Tenho muito mais de Afrodite hoje do que tinha há 8 anos. As duas deusas com quem menos me identifico também se mantêm: Deméter e Hera, pela mesma ordem. Apesar de as percentagens estarem um bocadinho acima. (Há 8 anos, tinha 7 de Deméter e 2 de Hera…) O que quer dizer que, psicologicamente, as características que correspondem a estas duas deusas estão mais integradas na minha consciência.

Um bocadinho, pelo menos…

Não me incomoda a manifesta diferença entre Artémis e todas as outras. Sempre foi o arquétipo com o qual mais e melhor me identifiquei. Muito menos me surpreende que os dois arquétipos que representam a juventude, Artémis e Perséfone, sejam os mais presentes em mim.

Síndroma Peter Pan never ends

Gosto do equilíbrio entre Atena e Afrodite. E mais ainda que Afrodite ganhe por dois a Atena. O que quer dizer que a minha predisposição para os relacionamentos, para o amor, para a vida vivida, é maior do que era. E que os livros, ainda que ocupem sempre um lugar cimeiro na minha vida, estão a ser preteridos em relação à experiência. Revelando uma apetência maior para a vivência da experiência do que para a fantasia.

De resto, nem tudo está perdido.

Há uma forma de equilibrar a presença dos arquétipos na nossa consciência. Pelo método associativo trazido para a psicologia por Carl Jung. O que pode revelar o que nos está a bloquear em relação àquele arquétipo e cujas características não estamos a desenvolver por as considerarmos “más”, desapropriadas, defeitos.

Não condizentes com a ideia que temos de nós.

Este questionário apenas peca por não incluir um dos arquétipos de que mais gosto, Héstia, por ser uma deusa pouco falada e quase nunca lembrada. Era a mais velha de seis irmãos e é caseira, na dela, introvertida e virgem. No sentido em que não precisa de um relacionamento, de um homem, para se sentir completa.

De resto, é um guia excelente de autoconhecimento e de esclarecimento de questões internas.

Se quiser saber quais os arquétipos mais e menos presentes em si, escreva-me para: contacto@isabelduartesoares.com

A Jornada do Herói – Ao encontro da alma

25/06/2018
Jornada do Herói – A saga continua: Ao encontro da Alma

Sempre achei que a vida não podia ser só nascer, estudar, trabalhar, casar, ter filhos e morrer. A minha alma queria mais. Tinha de haver algo que nos diferenciasse uns dos outros. E a existência era grandiosa, misteriosa, complexa o suficiente para se resumir a isso. Não descansei enquanto não descobri o propósito de tudo.

Foi assim que me apaixonei por Jung, por causa do conceito de Self e de Processo de Individuação, que trouxe para a sua linha de psicologia e me justifica a existência.

O Self, enquanto grande mestre orientador da psique. Um maestro que conduz a orquestra de arquétipos que moram na nossa cabeça, na direção de um propósito maior e diferenciador; e o Processo de Individuação, na sua proposta de totalidade – ou da integração da identidade, como o viu Rolando Toro, criador da Biodanza – e da vivência a partir do Self.

O Processo de Individuação é para toda a gente. Ou temos dele consciência e nele participamos ativamente, ou acontece à nossa revelia. Cada um terá o seu.

A Jornada do Herói  é o primeiro passo nesse sentido

Pois cada Jornada representa uma etapa na direção dessa conquista, ao encontro da Alma. Quem se juntar a nós, no próximo dia 8 de julho, vai dar um salto quântico nesse sentido…

Um Mito, uma Danza: A Jornada do Herói – Ao encontro da alma

Inscrição obrigatória por e-mail para: biodanzanunopinto@gmail.com

Mudam-se os tempos, mudam-se os Heróis.

15/06/2018

No outro dia passou no AXN Black um filme com o Robert Redford já com uns aninhos, ao ponto de ainda ser credível que aguentasse carregar pedregulhos de um lado para o outro e o Mark Ruffalo não tivesse um cabelo branco que fosse e não se vislumbrasse uma ruguinha naquela carinha laroca.

Tenho visto tantos filmes que dou por mim a não aguentar os primeiros minutos da grande maioria deles. O que não aconteceu com este. heróis

The Last Castle é de 2001

E, apesar de já fazer parte do terceiro milénio, ainda preconiza o Herói como os gregos o idealizam: alguém que se destaca da média e que por isso é alvo de projeção positiva e negativa do resto da humanidade.

No caso, Robert Redford como herói e o resto dos presos como massa liderada. Apesar de a liderança já ser mais adaptada ao mundo moderno e às necessidades coletivas atuais, o protagonista aproveita e conta com as valências de cada um para melhor conduzir o seu intento, livrar aquela cadeia daquela liderança, ou seja, toda a gente participa, mas eu ainda sou especial. Em vez de uma quase anulação das particularidades individuais em nome de um líder único e isolado que sabe o que é melhor para nós, típico do patriarcal. Ainda é notória esta questão.

O que contrasta com Deadpool, de 2016…

Era filme que não veria, confesso… Mas passou este fim-de-semana na SIC e, porque já me tinha sido referenciado, gravei para ver depois.

Wade, Deadpool, o herói deste Marvel, é, apesar da fantasia que caracteriza este tipo de filme, um herói mais humanizado. Não tem a seriedade e a altivez do herói do tipo interpretado por Robert Redford. Esse distanciamento que implica inconscientemente de que só alguns podem ser heróis, de que é preciso ter nascido com e em certas condições para tal. É engraçado, tem todos os defeitos possíveis, o que vai induzindo que só assim se é herói, na vulnerabilidade da imperfeição, sem que esta implique ser incapaz para a vida. Ou que tenha, sozinho, de resolver os problemas da humanidade inteira.

Mais digno de nota ainda é o papel do feminino neste filme.

E que vem na linha do que já se tem vindo a fazer nos filmes para crianças.

A namorada de Wade, com quem termina por já não ser perfeito e por isso não desejado, para além de se salvar sozinha da caixa onde tinha sido presa, ainda salva o herói da morte certa, dando uma paulada no inimigo (papel que estava até então atribuído a um dos coadjuvantes masculinos).

Um feminino mais autónomo

E, no fim, mostra que tem uma palavra a dizer: aceita-o, mesmo não sendo perfeito, condição dos heróis de outros tempos, caracterizados por atributos físicos que vão nesse sentido: musculados, inabaláveis, indiferentes a quase tudo, como Aquiles, o herói da guerra de Tróia. Em Deadpool, Wade fica com o rosto desfigurado por causa de um procedimento para se livrar de um cancro, mais uma vez, o herói humanizado, que tem doenças, tal como o comum mortal.

Este tipo de heróis gera uma identificação maior. E que se adequa às necessidades e aos tempos atuais. Já não implica que depositemos as esperanças num salvador. Mas que nos apropriarmos das nossas capacidades para nos salvarmos a nós mesmos. E assim podermos viver e conviver por identificação, em parceria e companheirismo. Em vez de estarmos à espera de ser resgatados por alguém. Ou por um trabalho, um cargo, que nos tiranize. Disputando poder…

Somos heróis e somos deuses, sem com isso deixando de ser humanos e acima de tudo humanizados.

É o que nos pede o tempo presente.

Os Heróis e o Cinema

13/06/2018

O cinema segue sendo o meio mais eficaz para veicular informação e retratar momentos e movimentos sociais, psicológicos, culturais. Como tal, e apesar de usar arquétipos, o que quer dizer que temas e personagens, heróis incluídos, são universais e existem desde os primórdios dos tempos, acompanha as questões que estão debaixo de foco social. Na verdade, quase se antecipam. 

Prova disso são os filmes para crianças, da Pixar/Disney.

Como o Brave (2012), Inside Out (2015) Maleficent (2015) Moana (2016), Coco (2017), que desconstroem estereótipos arquetípicos de meninas dependentes e frágeis, aludindo a deusas vulneráveis, que precisam do relacionamento para sua realização, substituindo-as por outros, como o de Artémis (Brave e Moana), deusa independente. Que apelam ao equilíbrio entre o matriarcal e o patriarcal, humanizando a mãe (Maleficent), que humanizam os heróis, considerando emoções como medo, raiva, tristeza (Inside Out). Ou que exultam valores como o da família, em vez da conquista épica, o da colaboração, e não do individualismo, o da humildade (Coco).

Os filmes, os desenhos animados, são o primeiro contacto que as crianças têm com os símbolos do inconsciente coletivo e a primeira forma pela qual apreendemos conhecimento. O reconhecimento psíquico pelo símbolo tem um impacto mil vezes maior do que o que apreendemos pelo intelecto. Por ser inquestionável, não estar ao alcance da dúvida do ego. O que apreendemos pela arte – seja ela a música, o cinema, a literatura, que ressoa e nos transforma, nos traz paz, tranquilidade, reconhecimento, ainda que não consigamos explicar intelectual ou racionalmente, e que nos outros não tenha o mesmo impacto – é inquestionável, mesmo que não encontre eco nos outros.

O ego sucumbe sempre perante algo que se encaixa emocionalmente.

E o mesmo acontece com os filmes para adultos. Independentemente do género, que, na verdade, é o jeito pelo qual recebemos, aceitamos e acolhemos informação. E, por isso e nesse sentido, é eficaz, gostemos ou não. Apreender conhecimento de forma lúdica, criativa, intuitiva, sem necessariamente infantilizar, continua a ser a forma mais inteligente de passá-lo.

Nada de bom se consegue à força, negando essência e alma. Nada…

Os arquétipos continuam então a refletir temas e potenciais comportamentais, e a acompanhar os tempos. As necessidades sociais.

E hoje, é clara a substituição dos heróis épicos pelos heróis humanizados. Homens e mulheres, que, por sua vez, são representadas de forma cada vez mais autónoma. Não descurando ou negando o relacionamento, que faz parte da vida. Mas substituindo o padrão arquetípico. Que antes era de vulnerabilidade (Hera, Deméter e Perséfone), que já foi de independência (Artémis, Atena e Héstia) e que cada vez mais é alquímico, Afrodite, que reúne características de ambos os tipos de consciência: relaciona-se, mas não depende de um homem para se sentir realizada, para ser salva… Sendo livre para escolher. Saiba mais

cursos@isabelduartesoares.com

error: Content is protected !!