Browsing Category

MBTI

INFP Love: What Love Means to the INFP Personality Type

22/05/2019

For everyone falling in love and being in love are different experiences, for some it is one of the most important things in life. For others this might be something they are hesitant to experience, and might even shy away from it. Most INFPs are certainly drawn to the idea of being in love, wanting to experience a sense of passion and true romance which happens in movies and novels. For the INFP the more important benchmarks in life should be celebrated and experience with a sense of enthusiasm and intensity. For them, love is one of these things which should not just be swept under the rug.

They Fall Hard and Fast

INFPs often get an initial feeling about someone, something in their gut which draws them closer. When they meet someone they often know right away whether or not they can truly fall in love with them. Because of this they don’t like wasting their time when they don’t really feel that spark or connection. INFPs do fall in love fast, since they can feel when someone is special and when they are going to be capable of truly bonding with them on a deeper and more real level. They also fall rather hard when they do, this person they love becomes a part of them.

INFPs give everything when it comes to falling in love, and don’t like doing this halfway. They want to feel truly inspired by these emotions, and believe in really diving in. INFPs don’t want to hold back when they do let themselves fall for someone, instead they want to be surrounded by these feelings. They want to allow themselves to become so wrapped up in that they are living and breathing these emotions. INFPs want to experience things in a passionate manner, and don’t like feeling as if they have to hold themselves back from what can spark their soul.

They Make Love a Priority

INFPs do make love a priority when it finds them, and they don’t want to allow other things to come in the way. They also want the person they are in love with to feel the same way about them and their relationship. For the INFP having this type of bond and connection is something they should value and take seriously. They don’t want to allow anything else to seem more important, since love for them really is a priority. This doesn’t mean INFPs are incapable of having other things they are passionate about, they just don’t want something else to come in between them and this special connection. INFPs believe ni holding onto these values, and so for them love should always be a priority in their lives.

INFPs do care about a sense of independence and of having things which are their own once they really become comfortable with their relationship. But that doesn’t mean they don’t lose sight of making sure their partner is important to them. INFPs value the things which can leave them feeling inspired, and for them love is one of those things in life.

They Don’t Want to Lose Their Enthusiasm

INFPs really don’t want to lose their sometimes childlike enthusiasm when it comes to love and dreams. They are natural dreamers and often hopeless romantics, who just want to be capable of going after the things they really want. INFPs don’t want to settle for less than their dreams, and really want to reach for these things which inspire their souls. They need to remain connected to this part of themselves and never let go of the dreamer inside. This is part of who they are, and so when it comes to love they don’t want to become jaded or cynical. While some people around them might tease the INFP for their dreamer qualities, it isn’t something they can really compromise on. They believe in being true to themselves and want to uphold their sense of morals and sincerity.

They Love Deeply, So They Hurt Deeply

While INFPs love deeply and truly do immerse themselves in these feelings, this means they can also get hurt. When they fall in love it means so much to them, and sometimes it leaves them blind to the flaws in someone’s character. When this happens the INFP might only see the good in them, seeing the potential and what they can become. This belief in someone else can lead the INFP to getting their heart broken when they do fall in love completely. This doesn’t necessarily stop the INFP from taking chances again in the future, but it can set them back for a while. They often put themselves out there and wear their heart on their sleeves, which really does leave them exposed to getting hurt. While this means getting hurt, it really isn’t something INFPs can or even should change about themselves. Their openness and honesty is part of what makes them such giving people who are so capable of making a difference in the world around them. While it might be challenging for them when they get hurt, is also is what makes them love with such a deep and meaningful purpose.

For the INFP falling in love and being in love are often a big part of who they are. They have big hearts and are capable of truly loving with a sense of openness and depth. They don’t want to hold back when it comes to follow their dreams and believing that love is truly out there for them. While there might be times where the INFP feels a bit wounded, they often find a way to recover and open themselves up to the opportunities around them. Love means a lot to the INFP, even though it can be difficult at times to continue pushing past the heartache and experiences of the past.

*Via

INFPs

26/11/2018
Das 10 coisas que jamais deve dizer a um INFP, esta é talvez das que mais me irrite. Deixem-nos ser intensos em relação às nossas paixões e à defesa dos nossos valores. Ou deixem-nos em paz. INFPs
 
“Lighten Up!”
INFPs are extremely passionate, idealistic individuals and they believe in making a difference in the world around them. They often have a cause or belief they fight for and they are intensely focused on this cause. They have a hard time enjoying superficial pleasures or ignoring the pains of others. “Lightening up” can feel empty to them. They want to just be allowed to be who they are; whether that’s serious, playful, imaginative, solemn, sad, or exuberant!

Validação

31/08/2018

Procuramos validação externa, quando o que deveríamos fazer, para ter a certeza de que a decisão que tomamos é a mais acertada de acordo com a nossa personalidade e o que queremos para nós, é olhar para dentro.

Não descuro a importância dos mestres, dos sábios que vamos encontrando pelo caminho. E que são fundamentais para que assumamos com convicção as nossas valências. Os sábios, os mentores – pessoas em quem confiamos plenamente, com provas dadas nas suas áreas de expertise – refletem a projeção do nosso Self (Jung). validação

O nosso eu divino, total, o nosso Master eu, como gosto de lhe chamar.

Por isso, no mundo patriarcal e racional em que vivemos, é importante ir além do que sentimos.

E, quando somos reconhecidos pelos mestres, os sábios, a sua validação funciona como uma confirmação externa do nosso valor. De que o que sentimos não é coisa da nossa cabeça. Por ser vista por outro que não nós, sem manipulação ou qualquer intenção de obter vantagem.

No entanto, mesmo para as pessoas do tipo pensamento, muitas das suas decisões, ainda que baseadas na lógica, têm por base uma raiz emocional.

Tudo é emoção

A diferença dos tipo pensamento para os tipo sentimento é que estes últimos têm consciência da raiz emocional de todas as suas decisões. Encontram maior conforto interno se as basearem na forma como se sentem em relação a um tema ou situação.

Ainda assim, e muito por conta da nossa raiz grega, isto é, racional, e das exigências do coletivo ocidental, é frequente, mesmo para os tipo sentimento, que uma decisão baseada no que sentimos não seja suficiente para convencer o resto do mundo a aceitá-la.

Quem diz o resto do mundo diz, obviamente, o pessoal que mora na nossa cabeça.

Daí que a única forma de validarmos uma decisão, uma escolha, é verificar se se encaixa nos nossos três centros de decisão: pensamento, mental, emoção, coração, e instinto, corpo, aquela coisa não provável ou verificável, mas que, muitas vezes, tem mais poder do que o pensamento e a emoção juntas.

É a única forma de não ficarmos à mercê do julgamento alheio

E de não nos deixarmos iludir pela vontade. Que tem o poder de nos impedir de ver uma série de coisas. Ficando-se apenas pelo que acolhe uma decisão já tomada emocionalmente.

Por outro lado, é muito engraçado como tentamos convencer-nos tantas vezes de que uma relação com determinada pessoa é possível. Mesmo que as campainhas de alarme na nossa cabeça não parem de tocar. Argumentamos com o resto do pessoal que mora na nossa cabeça melhor do que um advogado americano de topo.

De resto, dependendo no nosso nível de ligação emocional a determinado tema, é interessante verificar, numa situação de tensão, para que lado pendemos. O patriarcal, masculino, racional, rigoroso, que quer proibir, impor regras, fazer cumprir leis à risca… O matriarcal, feminino, emocional, mais benevolente, voltado para o prazer, mais compassivo, empático, sensível.

Mesmo para os tipo sentimento, o patriarcal tem influência e muita na forma como reagimos a algo que nos perturba. Se bem que a decisão final seja quase sempre feminina, emocional, baseada na forma como o resultado final nos faz sentir.

Conheça o seu tipo psicológico, saiba mais.

Intuitivos

21/08/2018

Quando se trata de escolher uma profissão, uma área de estudos, o que pesa muitas vezes é o tipo de saída que tem no mercado. Bem como a possibilidade de ser bem pago, entre outros fatores externos. Cingimo-nos ao que existe e desconsideramos muitas vezes os nossos valores pessoais, excluindo-os da equação. O que representa…

A morte, para os intuitivos.

O tipo sentimento introvertido, por exemplo, não se prende com estados emocionais, mas com valores.

Perante um estímulo externo, como nos sentimos, com base nos nossos valores?

intuitivos

Já dei por mim vezes sem fim aos gritos e a passar-me sempre que os meus valores mais preciosos e vitais estão em risco. Sempre que alguém tenta prender-me, impedir-me de me expressar, é injusto, quer me controlar, me ofende.

Sempre que os meus valores são ameaçados, não importa quem tenho pela frente, não tenho medo de nada nem de ninguém. E faço o que for preciso para não passar por cima deles.

Para os intuitivos, a escolha da carreira prende-se muito mais com valores pessoais do que com valores externos. Na verdade, qualquer decisão, opinião, questão, a tomar, expressar, resolver tem essa premissa. Assim, pode ajudar muito pensar quais os valores que nos são vitais. E escolher o que fazer, de acordo com eles.

O autor deste artigo sugere fazer uma lista de valores, quatro ou cinco, por ordem de prioridade, do mais importante e vital em diante, e escolher a profissão e a área e meio pelo qual pode ser exercida, com base nesses valores.

Acho que está certíssimo.

A imagem representa as palavras-chave para Intuitivos (N) e Sensoriais (S). Que correspondem às funções psicológicas definidas por Jung como Intuição e Sensação.

Saiba qual o seu tipo psicológico. 

MBTI – Sensação Introvertida

22/06/2018

Uma das coisas mais frustrantes que nos podem dizer, pelo menos a partir de uma certa idade, em que já somos maduros o suficiente para saber que há coisas que não conseguimos fazer e ser, é:

Só tens de…

Há motivos emocionais pelos quais não fazemos determinada coisa. E não dizemos uma série delas.

Por isso, a auto-ajuda e outros métodos e meios que implicam que tudo é uma questão de força de vontade têm tanto sucesso. Entre quem acha que basta querer, que se pode tudo, que basta acreditar.

Mesmo que nada mude…

É uma pretensão do Ego – que entra em pânico perante a possibilidade do desconhecido – achar e convencer-se de uma série de coisas. Por isso esses métodos têm tantos adeptos… E geram uma enorme frustração, apatia e muitas vezes depressão, entre quem tem um pouco mais de consciência.

Um dos medos associados a esses motivos emocionais é o de deixarmos de ser aquela persona na qual nos revemos. Com quem nos identificamos, que nos dá, aparentemente, segurança. Que faz de nós acolhidos e aceites pelo exterior. Ou nos protege dele, no caso dos introvertidos. É só o que conhecemos, o que temos consciência de que faz parte de nós… Ler Mais…

error: Content is protected !!