Outra vez a intimidade

16/05/2018

Há de haver poucas coisas mais comoventes do que o encontro connosco mesmos. Mariana Portela falando por mim, me vendo e me reconhecendo, uma e outra vez. Obrigada, querida, por sempre me distanciares da morte e me aproximares da vida, que insiste em me pulsar nas veias.

“O artista como alguém que pode sonhar, transcender os dados da realidade e enxergar nos entes intramundanos outras formas de ser, além das concretas.

“O poeta é um escravo da verdade.

Alguém que necessita, acima de suas forças, falar ao mundo. E sempre existe algum leitor que o acolha, que também se sinta daquela forma. O encontro entre o leitor e o poeta não é simplesmente entrar em contato com as dimensões mais esquecidas de nós mesmos, mas dar a elas uma morada, um lugar de intimidade”  Via

error: Content is protected !!