O caminho arquetípico do masculino – Guerreiro (último)

14/08/2019

A energia psíquica do guerreiro concentra-se na habilidade, poder e precisão.

E no controlo, interno e externo, psicológico e físico.

Treinar homens para serem tudo o que puderem ser, em pensamento, sentimento, discurso e ação.

As ações do guerreiro nunca são exageradas, dramáticas. O guerreiro jamais age para se certificar de que é tão poderoso quanto espera ser. Jamais despende energia excessiva, apenas usa a que precisa.

Quando Fergus, na terceira temporada, fala em armas e Jamie, devastado pela morte de Claire, diz que já houve guerras demais…

É treinado para ter autocontrolo, que começa pelo da cabeça e das ações, se estiverem certas, o corpo acompanha-as. Tem uma atitude mental positiva, o que implica um espírito inconquistável, uma coragem imensa, que seja destemido, responsável pelas suas atitudes e que tenha autodisciplina, com controlo e mestria da cabeça e do corpo.

E capacidade para aguentar a dor, física e psicológica.

Está disposto a sofrer para alcançar o que pretende alcançar. É leal a algo além dele mesmo, a uma causa, um objetivo, transpessoal. E devoto a ela, seja uma causa, um deus, uma civilização.

Quando aceita dar-se a Black Jack Randall para salvar Claire

É emocionalmente distante, a clareza de pensamento faz parte dessa distância. A forma distante de experienciar uma situação ameaçadora é objetificando-a, o que permite uma visão da mesma mais clara e vantajosamente estratégica.

O guerreiro é então capaz de agir considerando menos os seus sentimentos, pois agirá com mais eficiência sem que o próprio esteja à sua frente.

Quando Jamie leva Claire até às pedras duas vezes… E imediatamente antes de Culloden.

Na vida temos muitas vezes de dar um passo atrás numa determinada situação para ganhar perspetiva. O guerreiro precisa de espaço para brandir a sua espada. Precisa de se separar dos seus oponentes no mundo externo e dos seus oponentes internos, das suas emoções negativas.

Quando adia o confronto com Black Jack Randall em Paris

O guerreiro é frequentemente um destruidor. Mas a energia psíquica positiva do guerreiro destrói apenas o que precisa de ser destruído, para que algo novo, fresco, mais vivo e mais virtuoso possa surgir.

Há uma frase que ele diz, que não sei de cor, mas é algo do género: o poder (ou a política) não me interessam pelo simples prazer de dominar ou destruir o outro. 

Há muitas coisas no nosso mundo que precisam de ser destruídas: a corrupção, a tirania, a opressão, a injustiça, sistemas de governos obsoletos e déspotas, hierarquias corporativas que se atravessam no caminho do desempenho da empresa, estilos de vida e empregos que não nos preenchem, maus casamentos. E, no próprio ato de destruir, a energia do guerreiro está frequentemente a construir novas civilizações, novos empreendimentos comerciais, artísticos e espirituais para a humanidade, novos relacionamentos.

Quando a energia do guerreiro se relaciona com as outras energias masculinas, algo verdadeiramente esplendido emerge.

Quando o guerreiro se conecta com o Rei

o homem com acesso a estes poderes administra conscientemente o reino. E as suas ações decisivas, a clareza de pensamento, a disciplina e a coragem são de facto criativas e geradoras.

A interação do guerreiro com o arquétipo do mágico

é o que permite canalizar e direcionar a força para o cumprimento de objetivos.

A mistura com a energia do amante

dá ao guerreiro a compaixão e um senso de relação com todas as coisas. O amante é a energia masculina que traz o homem de volta à relação com seres humanos em toda a sua fragilidade e vulnerabilidade. O amante faz do homem sob a influência do guerreiro um compassivo, ao mesmo tempo que cumpre o seu dever.

Isto não se vê na série, mas há uma cena em que o pequeno Fergus pede a Jamie que o puna/mate, porque o miúdo não conseguiu cumprir a promessa de proteger Claire. Jamie salva-lhe a honra, com a punição, mas torce-se todo ao executá-la.

Contudo, quando o guerreiro funciona por si, sem se relacionar com os outros arquétipos, os resultados do mortal mesmo acedendo ao guerreiro positivo (o guerreiro na sua totalidade) podem ser desastrosos.

Dougal é o exemplo perfeito disto, querendo inclusive que Jamie morra para lhe ficar com Lallybroch.

Como dissemos, o guerreiro na sua forma pura é emocionalmente distante. A sua lealdade transpessoal relativiza a importância das relações humanas. É muito notório no sexo. As mulheres, para um guerreiro, não servem para este se relacionar, apenas para se divertir.

O amor de Jamie e Claire… Não preciso de dizer mais nada…

Na vida de todos os dias, os homens com profissões que exigem devoção transpessoal e longas horas de disciplina e sacrifício têm normalmente vidas emocionais pessoais devastadoras…

Como o arquétipo do Guerreiro se manifesta na sombra, sob consulta.   

Próximo: Rei

No Comments

Leave a Reply

error: Content is protected !!