Medo

10/01/2018

Uma das maiores partidas que o nosso cérebro nos prega é convencer-nos de que não somos capazes. Por medo. Alguns, que se prendem com o nosso instinto de sobrevivência e nos mantêm vivos, são reais, e ainda bem. Outros são precisamente os que nos impedem de viver. medo

E tudo o que não vivemos fica alojado em nós

Dando a sensação de ficar colado ao chão sempre que a cabeça até quer dizer sim, mas o resto que nos compõe não se mexe.

Como se o corpo estivesse preso

Numa camisa de forças de medos e crenças de que não conseguimos.

Precisamos de garantias de segurança, de assinar um acordo com o cérebro para nos permitirmos partir à aventura, pois nada acontece sem o consentimento do ego, quem impõe limites e precisa do controlo para se sentir capaz.

Algumas vezes, nem mesmo esse acordo é suficiente.

No entanto, a sensação de libertação que ocorre quando transcendemos os nossos medos é verdadeiramente indescritível. E, na grande maioria das vezes, verificamos que os cenários catastróficos que traçámos na nossa cabeça não passam afinal de fantasias.

Podemos não mudar a nossa história, mas podemos recriá-la para que o nosso corpo nos mostre o quão a nossa cabeça está enganada e onde pode chegar.

Pela parte que me toca, estou convencida de que não mais terei medo do buraco escuro…

error: Content is protected !!