O caminho arquetípico do masculino

29/07/2019

Este ensaio pretende ilustrar o caminho arquetípico do masculino, usando como modelo e exemplo um personagem de ficção – criado por Diana Gabaldon e recriado por Ronald D. Moore para TV – chamado James Fraser.   

Muito se fala em feminino e com justeza.

Com o fim do patriarcado, é natural que a força feminina surja, para equilibrar. A razão com o sentimento. E que essa força assuste. São séculos e séculos de histórinhas de feminino ameaçando o masculino, desde a mãe e o filho de Freud, passando pelas bruxas e os padres.

Dividir para reinar, uma das formas mais antigas de manipulação. Pôr medo nas pessoas e fingir que as protege, para as controlar.

É natural que haja um levante do masculino

Do patriarcado, que se ente ameaçado como nunca. Trump, Bolsonaro e Boris Johnson são exemplos de uma tentativa desesperada de sustentar o patriarcado, no seu pior, a força física e a intolerância absoluta.

Vale dizer que o pior e o mais extremo exemplo de patriarcado recente foi Adolf Hitler. E ninguém quer repetir isso…

No entanto, não há mais como combater

Acabou o patriarcado. E quanto mais depressa isto for aceite coletiva e individualmente, menos dói.

Não seria clichê repetir que o masculino também precisa de se adaptar. Até então rei e senhor de tudo, e não havendo volta a dar, o masculino vai ter forçosamente de se alinhar. E nada melhor do que arquétipos integrados que ilustrem formas diversas, tantas quantos os arquétipos, de definir um rumo. Sem deixar de ser homem. Muito menos sentir-se ameaçado pelas mulheres.

No fundo, pelo seu feminino psíquico interno.

Tudo é clichê, a verdade é que ninguém resolve. E os homens não pedem orientações…

Assunto que interessa também às mulheres.

Pois talvez James Fraser não seja possível, por ser um homem criado por uma mulher e, portanto, idealizado. É um animus, na verdade, o masculino psíquico em todas as mulheres. E não um homem de verdade, a ser possível a integração de todos os arquétipos. Alguns apenas podemos vivê-los. Se isto não convencer, trata-se de um manual para conhecer o masculino, o seu e o do seu companheiro…

A escolha do personagem é óbvia

Apesar de James Fraser ser manifestamente mais feminino na série do que no livro. Seria inaceitável um personagem masculino como o do livro na TV, no momento atual. Ron Moore foi muito inteligente na adaptação do personagem, que segue credível apesar de não tão macho.

*Nesta foto, declaradamente Rei, arquétipo do político integrado. Sem com isso abalar a honra. (In: Dragonfly in Amber)

(Continua…)

error: Content is protected !!