Desistir

28/02/2020
O meu afilhado agradece-me por ser quem sou. Depois de me sentir a pessoa mais isolada do mundo, nos últimos dias. No mesmo dia, recebo um mail de um leitor, por causa do meu texto da solidão. É por isso que não dá para desistir.

O Universo não deixa.

Indecisa entre pós graduação em Artes da Escrita na Nova, Master em Psicologia em Glasgow (online but who knows?) ou Mestrado em Estudos de Género no ISCSP.

No entanto, e se optar por esta última, é para partir tudo na Academia…

*A foto é de um exercício do Módulo 8 do Curso sobre o Livro Vermelho do Jung.

Mind the Gap – O futuro da humanidade

28/02/2020

Se me dissessem que o futuro da humanidade seria ter milhares de pessoas a seguir meia dúzia de outras, individualmente, e a fazer e a vestir, a comer e a beber, e até a tomar de suplemento, o que ela diz que faz.

E lhe pagam para dizer que faz e que usa.

Sem outro critério que não este.

No entanto, as pessoas acreditam… E obedecem.

E que ainda assim, a vasta maioria dessas pessoas iria gozar com quem acredita em Jesus Cristo?

Eu diria que o mundo estaria por um fio, se não tivesse acabado já.

Eutanásia – Abusos nos outros países

26/02/2020

Continuem crentes de que a Eutanásia só funciona a pedido:

Como é possível que as pessoas digam convictamente que sim a isto depois de lerem dois ou três artigos sobre os inúmeros casos de rampa deslizante em TODOS os países que legalizaram a eutanásia, dois deles europeus.

Pessoas são eutanaziadas sem saber

“Na manhã aprazada, a médica foi tomar um café com a doente, o marido desta e a filha de ambos, numa “atmosfera agradável”, fazendo diluir um sedativo no café, a fim de a adormecer. Meia hora volvida, a médica aplicou segunda dose do sedativo por injecção, mas a doente, embora tonta, manifestou desagrado e reagiu à dor com a agulha. Com a doente já adormecida, a médica tentou administrar uma dose letal de outro produto, mas a doente acordou, resistiu à injecção e levantou-se. A médica pediu, então, aos familiares que a empurrassem para baixo e a segurassem, a fim de poder aplicar a injecção final. Enfim, a idosa morreu.

O tribunal concluiu pela absolvição da médica de todas as acusações carreadas pelo Ministério Público.

Poucos dias antes do julgamento, um porta-voz do Procurador declarou que “nunca haviam duvidado de que a médica agira com a melhor intenção” e que “não é justo aplicar uma penalidade”. Em resumo, num caso de eutanásia forçada sobre uma idosa com demência: a médica decide sem qualquer pedido; a decisão e execução da eutanásia são escondidas da doente; esta é posta em estado de inconsciência; a doente debate-se e resiste contra a eutanásia; a família coopera e agarra a doente para ser eutanasiada; a médica consuma o acto – tudo claramente fora-da-lei, violando várias normas.

Mas o tribunal conclui que a lei foi cumprida, o próprio Ministério Público também crê que não houvera mal, a família apoia e agradece e, na sala de audiências, o público rompe em aplausos.”

“Não matem os velhinhos!” A Bélgica e a Holanda estão a fazê-lo; e querem ir ainda mais longe e mais fundo. Não pode ser. A Europa não pode continuar …”

Eutanásia – Estado com licença para matar

25/02/2020

A eutanásia dá ao estado o poder de matar, pela mão de um médico, cuja missão é fazer tudo o que estiver ao seu alcance para salvar a vida das pessoas.

Não para a tirar.

Com todos os nossos registos médicos, e da nossa família próxima, na sua posse.

O que acham que vai acontecer?

Sendo a eutanásia mais barata do que os cuidados paliativos?

Ouço, TODOS OS DIAS, gente a dizer: “o Sr. Dr. é que sabe. O que achar que é melhor para mim, faça.” Repito: literalmente TODOS OS DIAS. 

A legalização da Eutanásia será uma matança.

Como se faz aos animais. E começará cada vez mais cedo.

Lá está, assim que a pessoa deixar de contribuir ativamente, já que continua a pagar IRS do dinheiro que é dela e já foi taxado antes, e começar a consumir recursos do Estado, como hospitais, aparelhos, instrumentos e médicos, vai à vida.

Lembre-se que a sua avó sofreu horrores com cancro nos ossos. Você mais tarde ou mais cedo vai ter… O sofrimento é intolerável.

O suicídio assistido, o caso da Suíça, resolve todos os temores das pessoas que querem garantir que vão morrer. 

Mas nem na hora da morte conseguem ser responsáveis.

Querem que o Estado o faça por elas.

Nesta altura do campeonato, o cérebro de qualquer um já associa sofrimento intolerável a eutanásia, tal é a lavagem cerebral de que é alvo e nem percebe.  Cheio de certezas de que tem escolha.

O cérebro coletivo está distorcido ao ponto de as pessoas acharem que a eutanásia é a única alternativa que têm.

Ou é eutanásia ou é um bando de médicos e familiares sádicos a olhar para nós a agonizar de dor, por turnos, 24/7, sem fazer nada, a acenarem-nos com narcóticos à distância e a rirem-se. É mesmo esta a única opção que acham que têm.

Daqui a 20 ou 30 anos SE precisarem dela.

E que perante uns cuidados paliativos miseráveis – a mim chega-me morfina e cannabis com CBD e THC, o máximo que eu aguentar – o que ocorre a esta gente é matar, em vez de exigir cuidados paliativos como os há na Holanda.

Já que gostam tanto de dar esse exemplo.

Aproveitem e tomem conhecimento até onde foi a rampa deslizante, tanto na Holanda quanto na Bélgica e no Canadá. Neste e no artigo abaixo não faltam links de testemunhos REAIS dos próprios países. Que pedem a Portugal para não cometer o mesmo erro que eles. Gente que esteve nas comissões de ética a decidir quem era eutanasiado ou não. Hão de convir que sabem mais do que qualquer um de vocês.

E dos deputados da nação.

No Canadá, inclusive, o governo, que começou por aprovar uma lei igual à que o parlamento português quer, chegou à conclusão, anos depois, que permitir a eutanásia só a quem não pode esperar outra cousa a não ser agonizar até à morte era discriminação…

E por isso abriu a porta para qualquer situação de “sofrimento intolerável”.

Eu, aos 15 anos, depois da minha primeira desilusão amorosa, fiquei num sofrimento intolerável. A resposta do Estado era matar-me, neste caso?

Na Holanda, pensa-se baixar a idade para decidir sobre a própria eutanásia para 12 anos.

Não conseguiram baixar a idade para sexo consensual de 16 para 12, espero que não tenha sido herança de um partido que existiu por 4 anos e que defendia a legalização da pedofilia… o tipo de progresso(ism)o recomendável em qualquer sociedade civilizada, imagino.

No entanto, neste exemplo de país progressista, nem a morte escapará.

Como se não bastasse, poderá ser decidida aos 12 anos.

O meu sobrinho mais velho fará 12 anos em julho… É uma criança…

Assim, pode ser que pensem duas vezes se é esta possibilidade que querem para o vosso fim de vida. E dos vossos filhos e netos.

Não há salvaguardas eficazes para o doente potencialmente submetido a bullying familiar no sentido de pedir a eutanásia para “deixar de ser um fardo”.

Gente a ser eutanasiada sem saber, como se faz aos animais. Isto é real.

Não existe nenhum sítio onde a eutanásia não se tenha expandido

E vai passar a ser, se não é já, gente a pedir eutanásia para outras pessoas, criminosos, pedófilos…

Mas aposto que são todos contra a pena de morte…

E ficam muito chocados com o suicídio…

Velhinhos holandeses a fugir do seu próprio país. Para a acabarem os seus dias na Alemanha, onde a Eutanásia é proibida. Isto também  é um facto. No entanto, a lavagem cerebral é de tal ordem que nem factos conseguem mais entrar na cabeça das pessoas.

Realidade…  

Direito de matar, é isso que se está a legislar no Parlamento neste momento. Não há eufemismo que encubra.

Mais, se for a referendo e vocês votarem Sim estão a pactuar com tudo isto. E a correr o risco de que vos seja feito, contra a vossa vontade e até consentimento.

Isto é uma lei que vai afetar o país para sempre. Não é uma moda que amanhã ninguém se lembra. Sejam conscientes.

Eutanásia

24/02/2020

O Parlamento português deu mais um passo em direção a um absoluto retrocesso civilizacional.

Fê-lo contra a ordem dos médicos, dos enfermeiros e da comissão nacional de ética. E sem consultar o povo português sobre a eutanásia, um tema que tem diretamente a ver com a vida de cada um. Numa pressa inexplicável – António Costa quer a lei aprovada até ao verão, dos 5 projetos de lei sairá um -, ignorando a Constituição da República Portuguesa, nomeadamente no seu artigo 24º, que diz que a vida humana é inviolável.

Ninguém se opôs a esta violação, não houve um órgão fiscalizador do governo que dissesse:

isto é inconstitucional.

Não houve debate sério, honesto e rigoroso. Como se impõe num tema do qual depende literalmente a vida das pessoas. Não houve informação, a maioria acha que eutanásia é desligar a máquina.

E ninguém quis esclarecer sobre o que é, de facto, a Eutanásia.

Quando se trata de matar pessoas.

Ainda assim, cinco projetos de lei a favor da descriminilização foram aprovados esta quinta-feira.

A desinformação no parlamento e a irresponsabilidade dos representantes democráticos aprovaram algo que sequer sabem do que se trata. Permitindo assim que a morte deixe de ser o último recurso para passar a ser o primeiro.

Como será a partir de agora. Ler Mais…

The worst kind of loneliness

17/02/2020

The worst kind of loneliness is not the one who’s not there to warm up our feet during the winter. Not even the one that prevents us from killing ourselves during Christmas holidays. The one that does not measure our temperature, goes to the pharmacy and gets us pills. The one that keeps us late in the office to avoid getting into a dark, quiet, and cold home, no scent of fresh baked cookies in the oven. A moistless bathroom mirror, without funny faces.

It is not the one of the lonely passions, sometimes platonic, almost always impossible.

Not even that of the elusive hearts

Not the one that does not surprise us on our special day, doesn’t take us a picture during a trip, not even picks us from the airport. Cooks us dinner, pours us a glass of wine. It is not the first morning kiss we don’t get, or even the one we don’t give before going to sleep.

The hand that does not rest at the back of our head

Or lingers on our shoulder, on the curve of our neck.

It is also not the one that makes our whole body ache with the lack of human touch. Not even the one not resting our souls at peace, when awaken from nightmares and the undeniable truth of reality. The one not bringing us home after a medical procedure. Not soothing us when we face death and suffering. Or shuts us off from our beloved’s loss and sorrow. Not even the devastating solitude of not having an emergency contact.

The worst kind of loneliness is existential

Sentido

16/02/2020

A propósito de excertos* bons e do tema do post anterior: felicidade x sentido.

Eu busco o sentido, muito pouca gente o faz.

What Gives You Meaning Concept

E responsabilizo-me pela minha vida, as minhas circunstâncias, os meus delírios, fantasias, sombras, monstros psíquicos. Não sem antes os projetar nos outros, só depois posso e consigo reconhecê-los em mim.

E isto ninguém quer.

Descobrir por exemplo que o nosso maior inimigo é o arquétipo do género oposto que vive dentro da nossa cabeça. Que é o responsável por uma série de comportamentos auto-destrutivos e o grande castrador da função principal do feminino. Ler Mais…

A pior solidão

14/02/2020

A pior solidão não é a que não nos aquece os pés no inverno. Nem a que nos impede de nos matarmos no mês do Natal. Também não é a que não nos mede a febre, vai por nós à farmácia, nos leva comprimidos. A que nos faz trabalhar até mais tarde para evitar encontrar uma casa sem luz, calor e cheiro a bolos a sair do forno. Ou a água do banho, com vapor ainda a acumular-se no espelho. Sem caretas. A das paixões solitárias, às vezes platónicas, quase sempre impossíveis.

Sequer a dos corações inatingíveis

Nem a que não nos faz uma surpresa no nosso dia, nos tira uma foto em viagem, nos vai buscar ao aeroporto, nos faz o jantar, nos serve um vinho. Não é a do primeiro beijo que não recebemos de manhã nem a do que não damos antes de dormir.

A da mão que não nos pousa na nuca.

Nem no ombro, na curva do pescoço.

Também não é a que nos dói no corpo por ausência de contacto físico. Nem a que não nos sossega dos pesadelos e da realidade. Que não nos traz para casa depois de um procedimento médico. Nos conforta da morte e do sofrimento dos nossos. Nos deixa do lado de fora deste. Não é sequer a de não ter contacto de emergência.

A pior solidão é a existencial. Ler Mais…

Plano de impostos para Portugal

13/02/2020

Governo anunciou os novos escalões de IRS…

Tal como prometido, aqui vão os meus:

IVA

Livros 5% IVA

Contas (incluindo internet e tmóvel) + remédios (supl., homeop., med chin..) + consultas médicas de todo o tipo de medicina, acumpuntura, ortomolecular, (exceto estética) 6% IVA

Comida e roupa + combustíveis 12%

Tudo o resto, incluindo estética, mecânico e serviços 18%

+3K 24%

+10K 30%

IRS

Ler Mais…

error: Content is protected !!