E em dia de Salvador Sobral e de Seleção Nacional…

09/06/2019

“Romanticism is an 18th century philosophical movement affecting literature and art, marked by an emphasis on the imagination, emotions and poetry, often very personal and with a penchant for emphasizing suffering.”

INFP Love: What Love Means to the INFP Personality Type

22/05/2019

For everyone falling in love and being in love are different experiences, for some it is one of the most important things in life. For others this might be something they are hesitant to experience, and might even shy away from it. Most INFPs are certainly drawn to the idea of being in love, wanting to experience a sense of passion and true romance which happens in movies and novels. For the INFP the more important benchmarks in life should be celebrated and experience with a sense of enthusiasm and intensity. For them, love is one of these things which should not just be swept under the rug.

They Fall Hard and Fast

INFPs often get an initial feeling about someone, something in their gut which draws them closer. When they meet someone they often know right away whether or not they can truly fall in love with them. Because of this they don’t like wasting their time when they don’t really feel that spark or connection. INFPs do fall in love fast, since they can feel when someone is special and when they are going to be capable of truly bonding with them on a deeper and more real level. They also fall rather hard when they do, this person they love becomes a part of them.

INFPs give everything when it comes to falling in love, and don’t like doing this halfway. They want to feel truly inspired by these emotions, and believe in really diving in. INFPs don’t want to hold back when they do let themselves fall for someone, instead they want to be surrounded by these feelings. They want to allow themselves to become so wrapped up in that they are living and breathing these emotions. INFPs want to experience things in a passionate manner, and don’t like feeling as if they have to hold themselves back from what can spark their soul.

They Make Love a Priority

INFPs do make love a priority when it finds them, and they don’t want to allow other things to come in the way. They also want the person they are in love with to feel the same way about them and their relationship. For the INFP having this type of bond and connection is something they should value and take seriously. They don’t want to allow anything else to seem more important, since love for them really is a priority. This doesn’t mean INFPs are incapable of having other things they are passionate about, they just don’t want something else to come in between them and this special connection. INFPs believe ni holding onto these values, and so for them love should always be a priority in their lives.

INFPs do care about a sense of independence and of having things which are their own once they really become comfortable with their relationship. But that doesn’t mean they don’t lose sight of making sure their partner is important to them. INFPs value the things which can leave them feeling inspired, and for them love is one of those things in life.

They Don’t Want to Lose Their Enthusiasm

INFPs really don’t want to lose their sometimes childlike enthusiasm when it comes to love and dreams. They are natural dreamers and often hopeless romantics, who just want to be capable of going after the things they really want. INFPs don’t want to settle for less than their dreams, and really want to reach for these things which inspire their souls. They need to remain connected to this part of themselves and never let go of the dreamer inside. This is part of who they are, and so when it comes to love they don’t want to become jaded or cynical. While some people around them might tease the INFP for their dreamer qualities, it isn’t something they can really compromise on. They believe in being true to themselves and want to uphold their sense of morals and sincerity.

They Love Deeply, So They Hurt Deeply

While INFPs love deeply and truly do immerse themselves in these feelings, this means they can also get hurt. When they fall in love it means so much to them, and sometimes it leaves them blind to the flaws in someone’s character. When this happens the INFP might only see the good in them, seeing the potential and what they can become. This belief in someone else can lead the INFP to getting their heart broken when they do fall in love completely. This doesn’t necessarily stop the INFP from taking chances again in the future, but it can set them back for a while. They often put themselves out there and wear their heart on their sleeves, which really does leave them exposed to getting hurt. While this means getting hurt, it really isn’t something INFPs can or even should change about themselves. Their openness and honesty is part of what makes them such giving people who are so capable of making a difference in the world around them. While it might be challenging for them when they get hurt, is also is what makes them love with such a deep and meaningful purpose.

For the INFP falling in love and being in love are often a big part of who they are. They have big hearts and are capable of truly loving with a sense of openness and depth. They don’t want to hold back when it comes to follow their dreams and believing that love is truly out there for them. While there might be times where the INFP feels a bit wounded, they often find a way to recover and open themselves up to the opportunities around them. Love means a lot to the INFP, even though it can be difficult at times to continue pushing past the heartache and experiences of the past.

*Via

The Shadow

21/05/2019

“The shadow is a living part of the personality and wants to live with it in some form. It cannot be argued out of existence or rationalized into harmlessness. This problem is exceedingly difficult, because it not only challenges the whole man, but reminds him at the same time of his helplessness and ineffectuality.

Strong natures – or should one call them weak? – do not like to be reminded of this, but prefer to think of themselves as hero’s who are beyond good and evil, and to cut the Gordian knot instead of untying it. Nevertheless, the account has to be settled sooner or later. In the end one has to simply admit that there are problems which one cannot solve on one’s own resources.

Such an admission has the advantage of being honest, truthful and in accord with reality, and this prepares the ground for a compensatory reaction from the collective unconscious.”

Carl Jung In: The Archetypes and the Collective Unconscious

Mãe e Pai

20/05/2019

Se pensarmos no tipo que nos atrai, iremos encontrar certamente muitas semelhanças com a nossa mãe e o nosso pai, ou com quem de nós cuidou, ou um antagonismo total dos mesmos. Que vem da relação com a mãe e o pai, primordial, pela via dos nossos pais particulares.

Corroboro assim a ideia da noção que temos de amor, e que pauta todos os nossos relacionamentos, é a do modelo de amor que tivemos da nossa mãe… Desse modelo de vínculo.

Essa é a primeira das nossas ligações

Há uma citação de um jornalista, escritor, professor de que, e de quem, gosto muito, João Pereira Coutinho: Mesmo que a liberdade de escolha me leve a escolher maus caminhos, é preciso não subestimar a importância do erro nesse processo de aprendizagem chamado vida humana. Limitar ou abolir o erro deixaria os indivíduos num estado permanente de ignorância e infantilidade.

Nós não somos o que fizeram connosco, nós somos o que fizemos com o que fizeram connosco. Carl G. Jung

Fim

Temas arquetípicos do feminino

19/05/2019
Também temos então temas arquetípicos diferentes:

O do masculino é a relação com o pai. A repetição ou não da história de Urano, Cronos e Zeus. O cinema reproduz o mesmo tema arquetípico, todos os filmes com protagonistas masculinos têm uma questão com o pai. Ou falam dela… Hierarquia, autoridade, sigo-lhe os passos ou faço o meu próprio caminho? E se escolher o meu caminho, ele aprovará e gostará de mim? Enfrento-o? Envergonho-o?

O do feminino é a relação.

São séculos de patriarcado a proteger o ego masculino e as mulheres não fogem a essa regra. Pois fazem o que for preciso para manter a relação. É esse o tema arquetípico delas.

Mesmo as mulheres com arquétipos das deusas virgens, que não precisam de um relacionamento para se sentirem realizadas (Héstia, Atena e Artémis), quando estão num relacionamento é frequente aparecer outro arquétipo, de deusa vulnerável (Perséfone, Deméter e Hera), que precisa do relacionamento para se sentir realizada, precisamente para manter esse relacionamento, pois é esse o seu tema existencial, arquetípico. E nenhuma deusa virgem sustenta sozinha um relacionamento… Por isso muitos homens reclamam das mulheres depois de casar, acham que elas mudam e que aquela não foi a mulher com quem casaram. Foi, tem é outro arquétipo ativado.

Já que falamos de identidade e de masculino e feminino, e de arquétipos de ambos, então se calhar o melhor é começar pelo princípio…

Pelo arquétipo materno e paterno

Na mitologia, temos três tipos de pais arquetípicos: Zeus, Poseidon e Hades. E dois tipos de mãe: Hera e Deméter.

Psiquicamente, o arquétipo tem uma trajetória, ou uma de três opções, caminhos, já que a consciência tende a ser polarizada.

Pai – Arquétipo

Passivo (Hades) /Emocionalmente distante (Zeus) ———— Orientador (integrado) ————- Autoritário (agressivo, violento, descontrolado, prepotente (Poseidon).

Um arquétipo paterno integrado é orientador e disciplinador, mas com Eros, não autoritário.

Mãe – Arquétipo

Passiva, cuidadora, mãezona, codependente, ninho vazio (Deméter-mãe boa) ———– Nutridora, (integrado) ——— Autoritária, invejosa, poder, rigidez (Hera – mãe bruxa; madrasta).

Um arquétipo materno integrado é nutridor, afetuoso, carinhoso, incentivador. Responsabiliza o filho, prepara-o para o mundo, mas apoia-o e deixa-o tomar as suas próprias decisões.

Quando se diz que alguém tem um complexo materno ou paterno a pessoa encontra-se numa das polaridades do arquétipo, matriarcal ou patriarcal.

Porque até determinada idade aceita-se que a culpa é dos pais. Depois disso não, a nossa vida é da nossa responsabilidade, independentemente do que fizeram connosco.

Nós construímos um pai e uma mãe internos com base nas figuras dos nossos, em princípio, mas a forma como eles se desenvolvem na nossa psique, e no tipo de pai ou mãe internos em que se transformam, é outra história, que inclusive pode ser a inversa da vivida.

Filho de pai passivo torna-se autoritário.

(Cont.)

A sombra do feminino

18/05/2019

Quase o que parece um século depois, as questões de identidade de género e respetiva ideologia estão na ordem do dia.

No entanto, biologicamente, continua a ser clara a diferença entre masculino e feminino.

O feminismo voltou em força, mas do jeito patriarcal, querendo poder sobre os homens, de que o #metoo é o mais recente e mediático exemplo.

Não, a gente não quer poder sobre os homens. E homem nenhum aceitaria isso. 

Dinâmicas de casal à parte, onde é frequente a inversão de papéis.

Coletiva e individualmente, o que a gente quer é uma consciência equilibrada e não polarizada no patriarcal ou no matriarcal.

Quer alteridade

A amena convivência entre os opostos. E do que o mundo ocidental precisa é de resgatar o feminino perdido.

Não é à toa que a maior manifestação de trans, drags, cross dressers etc é no masculino. É o feminino farto de estar na sombra a irromper pelo coletivo à força e de maneira a ser notado, pela necessidade urgente de ser integrado na consciência.

Nas mulheres, o feminino vem pela via do poder. Hera, cansada de estar na sombra de Zeus, e de viver o seu poder através dele, mostra que o poder não faz só parte da vida arquetípica do masculino. Quando resolve reclamar para si o poder que lhe pertence, fá-lo pela sombra e a sombra de Hera é destruidora.

Ou da autopunição, da qual a obsessão com a magreza, a idealização do corpo perfeito, sem curvas…, é apenas um exemplo.

Precisamos, sim, de feminino, mas integrado e não dominador. Ou destruidor…

Feminino com Eros.

Como o da ida da primeira-ministra da Nova Zelândia, recentemente eleita, à AG da ONU, com o filho bebé ao colo. Mostrando que uma mulher pode liderar sem perder a conexão com o feminino.

Aliás, é essa conexão com a sua natureza feminina que a impede de ser uma tirana.

O feminino precisa do masculino para se equilibrar e o masculino precisa de Eros, caso contrário torna-se um tirano.

Orientação sexual à parte, psiquicamente, também somos diferentes. Temos temas existenciais diferentes e movemo-nos por coisas diferentes. Sendo que todos temos tudo, masculino e feminino, patriarcal e matriarcal.

Masculino/patriarcal: ação, razão, lógica, ordem, lei, hierarquia, poder, intelecto, autoridade

Feminino/matriarcal: nutrição, relação, passividade, contemplação, criatividade, prazer, gestação, emoção, coração

(Cont.)

Feminino e Masculino

17/05/2019

Um dos projetos de uma vida, se a tiver e para tal houver disponibilidade, e talvez o mais ambicioso, é escrever um tratado sobre o feminino. Tipo Lobo das Estepes mas mais para loba da floresta. O feminino é o tema sobre o qual mais tenho bibliografia.

Enquanto o tratado não acontece, vou escrevendo ensaios.

Jung diz mais ou menos que se o Processo de Individuação é a grande conquista da Identidade, a integração do animus (Yang – arquétipo masculino na psique das mulheres) e da anima (Yin – arquétipo feminino na psique dos homens) é a masterpiece.

O mundo, e a consciência, começou por ser feminino. Com a chegada do Patriarcal, Zeus, o feminino começou por ser perseguido, haja em vista o que acontecia a qualquer mulher minimamente intuitiva e que usasse o seu conhecimento para ajudar pessoas. Conhecimento esse que não podia ser entendido com a razão e por isso também era ameaçador para os padres, detentores do conhecimento e com ele dominavam tudo e todos, incluindo reinados inteiros.

Quando ameaça, a gente tenta destruir.

Denegrindo a imagem, controlando pelo medo, etc. O patriarcado teve o seu expoente máximo aí e na 2ª guerra mundial, em Hitler. O militarismo é a sombra do patriarcal.

Excesso de ordem e disciplina e zero Eros. Hitler é a personificação disso.

Os movimentos feministas vieram tentar equilibrar e o movimento hippie make love not war foi decididamente um movimento do feminino.

Não foi há muito tempo que as mulheres precisavam de um pseudónimo masculino para poderem escrever em jornais. E publicar livros. E só nos anos 60 as mulheres puderam frequentar cursos de Direito e Medicina. Juntamente com os negros, já que falamos em minorias…

Angela Merkle, para liderar um país e um continente, simbolizá-lo, tal como já havia feito Thatcher, e a própria Rainha de Inglaterra, masculinizou-se. As mulheres Atena perderam até a capacidade de rebolar… (Cont.)

error: Content is protected !!