Patinar no gelo

13/02/2017

Andava aqui maluquinha, a dar voltas à cabeça para descobrir o que fazer com este date do demónio. Não ando de patins, muito menos no gelo. Além disso, cadê gelo? Não fazia ideia o que poderia substituir um desafio destes, ser minimamente equivalente. Eis que me deparo com esta foto. Habituada que estou a dar toda a importância do mundo às sincronicidades que cada vez mais pululam na minha vida, achei que tinha sido um presente de deus.

patinar no gelo

Esta miúda chama-se Madalena e é, digamos, a nossa primogénita. Foi a primeira da segunda geração de um grupo de amigos que se relaciona desde o liceu, haveríamos de ter aí entre os 16 e os 20 anos, há a leva de 1974 e a de 1971. Uns in between e umas miúdas mais novas que apareceram depois, namoradas de dois deles, hoje mulheres e com filhos. A Madalena fará 21 anos em Março e está neste momento em Budapeste, a fazer Erasmus.

O que mexeu imenso comigo.

Primeiro, porque é um sinal inequívoco de que estou velha. Segundo, porque me vi com a idade dela, a vida toda em aberto, a ansiedade de não saber o que vai ser, a determinação e a coragem que só temos aos 20 anos, abençoada inocência. Terceiro, porque falei com ela como se fosse eu que estivesse a dois dias de viajar. Lembrei-me do meu próprio estágio, de 3 meses, no Luxemburgo, da vida de estudante, tinha a vantagem de estar a ser muitíssimo bem paga para estagiar no Parlamento Europeu, com dinheiro para estoirar em copos e em viagens e a despreocupação de quem nem consciência tem de que a vida acabara de começar, mas parecia que não, que eram férias. No centro da Europa, com tudo à volta por conhecer, a meia dúzia de passos de uma série de países diferentes.

Querida Madalena, que sabes viver muito melhor do que eu alguma vez soube, o date de hoje é contigo. Que a vida te sorria sempre. Um sorriso do tamanho do teu. Aproveita tudo, meu amor.

Artist’s Date 44/365 – Go ice Skating

error: Content is protected !!