Tristão e Isolda – o feminino*

15/01/2019

Quando aprendermos a caminhar ao sol e a ver as cores da terra, a respeitar o nosso corpo físico, a acordar a música na vida, a ouvir os nossos sonhos, a mostrar afeto às pessoas que amamos, faremos a paz. 

Uma das grandes forças do feminino interno é a capacidade de deixar pra lá, de desistir do controlo do ego, de parar de tentar controlar pessoas e situações, de entregar ao destino e esperar pelo fluxo natural do universo.

Abandonar a espada significa parar de tentar entender pelo intelecto ou a lógica, parar de tentar forçar as coisas.

Pegar na harpa significa esperar pacientemente, ouvir uma voz suave que vem de dentro, pela sabedoria que não vem da lógica ou da ação, mas do sentimento, intuição, do irracional e do lírico.

*Robert A. Johnson, in: We (tradução minha)

Um mito, uma danza: Tristão e Isolda, 18 de janeiro, inscrição obrigatória por mail: biodanzanunopinto@gmail.com

error: Content is protected !!