Uncategorized

AGORA É O TEMPO

17/11/2005

Cada vez que penso no tempo lembro-me de um e-mail que circulou, e circula de quando em vez pelas caixas de correio dos falantes de língua portuguesa, que dizia qualquer coisa como: se quiser ter a noção do que é um milésimo de segundo, pergunte a um corredor dos 100 metros… E por aí fora. Começava no dia e acabava na mais ínfima partícula de tempo.

Lembro-me quando era miúda que o tempo era interminável. Os anos escolares eram enormes, as férias, de tão grandes, faziam-me por vezes sentir saudades das aulas, as duas horas que mediavam o fim do jantar e a meia-noite do dia 24 de Dezembro pareciam dias e dias sem fim. Havia tempo pra tudo e ainda sobrava para nos chatearmos de morte sem saber o que fazer com tanto dessa coisa chamada Tempo. A vida parecia eterna e andava bem devagar. Longa, longa.

Na universidade comecei a senti-los passar. Cada vez mais rápido. Cada ano mais curto. A partir daí então tem sido a uma velocidade alucinante, tanto que já estamos em Novembro. O ano 2000 já foi vai pra 6 anos… Depois – mesmo antes de cortar os pulsos e de implorar que me tirem os tubos – dá-me para pensar que já vivi umas coisas giras. Lembro-me de repente que já conheci muitos lugares, muita gente, do mundo inteiro. Depois – e decididamente com os 30 a ajudar e não é pouco, antes pelo contrário – penso que independentemente do que vivi, agora é o tempo. Vivo decididamente agora, o momento, o minuto. Cada vez mais. E vivo bem, da melhor maneira, eu diria. Tudo o que vier é bonus.

Já lá vai o tempo em que planeei e almejei uma vida igual à de tantos outros, com empregos certos, filhos e casa para orientar. O universo, por mais preverso que pareça às vezes, mostra sempre o caminho, não é por aí… E não é, mesmo! Que é que se há-de fazer? ‘Bora lá encarar então o que é para nós. Será bom certamente.

Sentimo-lo mais nos outros do que em nós. No peso a mais do primo a quem não nos tinhamos importado de dar uns amaços antes de ficar quadrado, papudo e barrigudo, nas crianças dos outros que crescem cada dia mais, nos cabelos brancos que avançam em barda e nos outros que desaparecem como que por magia, as fotos são do pior, e sentimo-lo principalmente naqueles que nos são mais próximos. Nos movimentos que se tornam lentos e nas cabeças que perderam de repente e para sempre a agilidade de outros tempos. Ele não está nem aí. É impiedoso e está-se borrifando se ainda não fizemos tudo o que queriamos ter feito. Está-se nas tintas para o facto de tantas e tantas vezes gostássemos que parasse. E pior, insiste em passar cada dia mais rápido. Cada mês mais a voar. Cada ano mais diferente do anterior. Muito menos igual do que na longínqua mas irreversível – GRAÇAS A DEUS – adolescência. Ao mesmo tempo acontece um monte de coisas… Essa é outra coisa extraordinária no tempo. Em três meses não se passa nada, num mês passa-se tudo. Num dia tudo muda.

Agora é o tempo. Pra viajar, pra ler, pra escrever, pra fotografar, pra pensar, pra não pensar, pra conhecer, para aprender, pra curtir, simplesmente pra fazer o que tiver a fazer. É o tempo pra não me prender a nada menos do que o homem de uma vida. Tudo o resto é contornável.

O tempo corre, voa, e eu aproveito-o ao minuto. A vida é só esta, que das outras, assim de repente, não me lembro…

You Might Also Like

  • bonifaceo 18/11/2005 at 02:39

    Pois, o tempo passa a correr. Ainda agora eram 23:45 e agora já são 2:35… é o que faz andar na blogosfera. Se te sentes feliz e realizada é o que interessa. Eu não me sinto um infeliz, embora ainda tenha algumas metas a atingir.

  • Mipo 18/11/2005 at 09:41

    mainada!

  • Nando 21/11/2005 at 21:06

    Este texto é belo como um bem-te-vi de papo amarelo.
    Ainda ontem (ao que me parece) minhas duas miúdas rolavam de rir de uma bobagem destas, mas hoje, pelo que vi, elas acordaram chegando à bela casa dos trinta, e não se riem mais destas besteiras (ou eu não ouso mais brincar com essas coisas?). Amanhã (quem sabe?) virão os netos e…
    Hummm… Acho que você pode, sim. É que este momento

  • ISA 22/11/2005 at 00:32

    pois é nando, posso né? é só fazer por isso… beijos mil

  • error: Content is protected !!