Uncategorized

A minha gata laranja

23/04/2009

A minha gata laranja é a minha gata laranja porque é única. Não é porque é laranja, não é porque tem uns lindos olhos verdes, não é porque é gordinha. A minha gata laranja é a minha gata laranja não é porque destrói elásticos de cabelo em 15 segundos. Não é porque se enrosca nas minhas pernas e brinca aos labirintos com elas. Não é porque ela é um doce, porque se encosta a mim e me pede festinhas, não é porque me dá marradinhas. Não é porque chega junto e fica junto. A minha gata laranja é a minha gata laranja porque faz o que mais nenhum gato faz. Ela ferra a unha no elástico de cabelo e, com a sua enérgica patinha, atira com ele pelos ares, da forma mais engraçada. Brinco com ela, atiro o elástico pelo chão, atiro-o pelo ar, ela segue-o com os olhos e assim que ele cai no chão, ela ferra-lhe a unha e cá vai disto. Na maior parte das vezes, brinca sozinha. Nunca sabemos como nem pra onde voa o elástico. Mas eu vou buscá-lo onde for preciso, porque ela me faz rir às gargalhadas com aquele elástico pelo ar. Nenhum gato faz o que a minha gata laranja faz. A minha gata laranja conquistou-me como nenhum outro animal o fez. Eu amo a minha gata laranja.

Ontem fui visitar a minha gata laranja. Não a via há uma semana. A minha gata laranja não só não me ligou nenhuma como me virou as costas. A minha gata laranja mal olhou prá minha cara. A minha gata laranja não brincou comigo, queria fazer-lhe festinhas e ela simplesmente ia-se embora. A minha gata laranja não resistiu ao elástico mas pegou nele e foi brincar pra baixo da cama, onde sabe que não chego. A minha gata laranja encolhia as patinhas mais branquinhas de todas quando lhe fazia festas. A minha gata laranja não me deixou fazer-lhe festinhas nas patinhas. A minha gata laranja não me quis. A minha gata laranja olhava pra mim, de longe, e quando olhava pra ela, virava-me a cara.

A mãe dela explica-me que, para ela, eu abandonei-a. Eu tava lá e depois fui-me embora e nunca mais vim. Não adiantou dizer-lhe que foi só uma semana. Explica-me que agora ela tem de perceber que eu vou e venho. Não desisti, insisti. Ela também insistiu, no desprezo… A minha gata laranja fez questão de passar por mim, para que a visse, e ir espolinhar-se longe de mim e perto da mãe dela, pra que só ela lhe pudesse fazer festinhas, e desde que eu visse. A minha gata laranja preferiu um espaço onde mal cabia, a vir para um espaço enorme, só porque eu estava ali. A mãe dela punha-a do lado de cá e ela simplesmente ia-se embora. Depois de umas horas valentes, a minha gata laranja veio pra perto mas virada de costas. Deixou-me fazer-lhe festinhas mas por pouco tempo, porque logo, logo se ia embora. A minha gata laranja fez questão de ficar aos pés da cama, virada para a janela. A minha gata laranja deu-me um tratamento que nunca permiti a gajo nenhum… Avisei, não vou aguentar este desprezo, não vou…

A minha gata laranja só veio enroscar-se nas minhas pernas depois de eu sair por 20 minutos e voltar. Aí voltou a ser a minha querida gata laranja. Dava-me marradinhas nas pernas, encostava a cabeça, punha-se a jeito. Deixou-me fazer-lhe festinhas durante muito tempo. Dizia-me onde queria as festinhas e eu fazia. Até na minha mochilinha ela se esfregou, de olhinhos fechados. E depois pôs-se à minha frente, a olhar pra mim. Suficientemente longe pra que não lhe chegasse. Brincava com os dedos no chão para a chamar, ela não tirava os olhos dos meus dedos, mas não chegava perto. Chamei-a, ela veio logo. Deixou que lhe fizesse festas e logo voltou ao mesmo lugar. A olhar pra mim, longe… Quis brincar com o elástico mas ela não me ligou muito. Depois deitou-se e fechou os olhos. Ainda ali ficou um bocadinho, de olhos semi-cerrados. Depois enfiou-se debaixo da cama e não a vi mais.

You Might Also Like

  • Maloca (Marlene) 23/04/2009 at 22:10

    Isa,
    não quero decepcioná-la, mas tenho que te dizer uma coisa…
    a gata laranja não é sua; você é que pertence à gata laranja.
    é, é assim, menina… :)

  • Isa 23/04/2009 at 22:13

    Uia Maloca, num mi provoca fia, que o único gato que me deu alguma importância foi a Berta visse? que me deixou fazer-lhe festinhas de olhos fechadins, tá? ;-)
    Bjo

  • Maloca (Marlene) 24/04/2009 at 01:33

    não, Isa, não estou te provocando.
    a gata laranja não é sua; você é que é dela.
    com Berta Lacinhos é a mesma coisa: ela não é minha; eu que sou dela. :)

  • Isa 24/04/2009 at 12:17

    É verdade Maloca, é verdade… Bjs

  • Luci 24/04/2009 at 16:24

    isso mesmo. gato é que é o dono.
    vc.pensa que ele está fazendo o q vc. quer, mas é ele que está mandando em vc…rs!
    gata laranja só quis te mostrar que vc. é dela.
    e não discuta com ela!
    bj
    saudade, miuda, saudade!

  • Isa 24/04/2009 at 16:28

    caraca Luci mas é mesmo assim… e eu tou rendida cara, rendida…
    Bjs queridona

  • Marta 24/04/2009 at 18:00

    Amiga Isabel…
    Tive uma gata que adorava elásticos, exactamente da forma como descreve, até ter introduzido rolhas… :-)Rolhas de cortiça. E aí… e aí, amiga Isabel se já era a puta da loucura com os elásticos, com as rolhas, a casa veio abaixo! :-)
    Muitos beijos

  • Isa 25/04/2009 at 16:46

    Sim, imagino, os elásticos sempre são mais molinhos… é tão engraçada ela e aquele elástico pelo ar… tão engraçada…
    Bjs mis

  • error: Content is protected !!