Livre

Agradece [integra] e troca

04/02/2016

Apologista que sou da elaboração e da integração, reconheço que, na grande maioria das vezes, ainda que com treino de anos, essa elaboração e integração levam tempo. Principalmente por serem precedidas de dor, quanto mais não seja, a dor da rejeição e do abandono, da qual todos padecemos, uns mais do que outros. Não necessariamente abandono físico, mas certamente abandono emocional. Acorda a ferida antiga da primeira rejeição e abandono que sofremos lá na infância, que acaba por se repetir toda a vida. E é mal que ataca a todos, mesmo quando não estamos particularmente interessados no objeto que nos rejeita. O que faz de nós completamente esquizofrénicos. A boa notícia é que, sabendo que não aguentamos, podemos retirar do objeto que nos rejeitou o poder que isso lhe confere. Já que esse poder, afinal, é nosso, somos nós que não aguentamos a rejeição e o abandono, não o outro que tem o poder de decidir o nosso valor, rejeitando ou abandonando.

Durante um tempo, todo o tempo, fui adepta do dissecar até ao osso, analisar os meandros, as subtilezas, o que é óbvio e principalmente o que está por detrás do óbvio, da justificação racional, aparentemente altruísta, que nunca é a justificação real. Para poder seguir em frente, sem pontas soltas, nós a meio dos fios, daqueles que só cortando. Fazia-me inclusive imensa impressão gente que saltava de um relacionamento, às vezes de anos, para outro num piscar de olhos, sem passar pela casa da Partida, sem receber dois contos. Recentemente deixei-me disso. De há uns tempos para cá, tenho sido cada vez mais adepta do agradece e troca, a integração que seja feita quando der, que vá sendo feita, ao mesmo tempo que me vou divertindo, que não me deprimo demais, que não me convenço do que não devo. É simples. Agradece e troca, o famoso: bola pra frente.

– És pessoa para o dia todo e a noite inteira e só te procuram para as horas vagas? Tu lá és pessoa para as horas vagas, mulher. Agradece e troca, já.
– Tem tempo mas não está disponível? Agradece e troca.
– Combina e dá-te a banhada? Agradece e troca.
– Enrola-te até dizer chega e nada? Agradece e troca.
– Mantem-te no limbo? Agradece e troca.
– Não é claro nas suas intenções? As atitudes são dúbias e as desculpas esfarrapadas? As justificações automáticas sem sequer serem pedidas? Agradece, troca e foge.
– Levaste um pé na bunda? A famosa tampa? Agradece e troca.
– Não te satisfaz? Agradece e troca.
– ‘Tá chato? Agradece e troca.
– O colega revelou-se um sacana sem lei? Agradece e troca.
– A amiga não está disponível? Agradece e troca.
– O amigo quer mais do que deve? Agradece e troca.
– Tu queres e ele não? Agradece e troca.
– Ele quer e tu não? Agradece e troca.
– Percebes que dás mais do que recebes, sem precisares de fazer grandes contas? Agradece e troca.
– Não te serve? Agradece e troca.
– O serviço já não é o mesmo? Agradece e troca.
– O Celeiro que costumas frequentar não tem farinha de arroz integral sem glúten há meses? Agradece e troca
– And Counting…

E, lembra-te, não podes obrigar ninguém a ficar, a gostar de ti, nisto dos afetos, só na base do voluntariado. E, vamos combinar, tu mereces mais, tu mereces tudo. Agradece e troca. É a única forma de manteres o controlo da tua vida, não da dos outros, nas tuas mãos. Agradece e troca. Agradece e troca. Agradece e troca.

Giving life, love, peace, happinness, trust, and yourself, one more chance.

You Might Also Like

error: Content is protected !!