Chelsea Handler

15/11/2020

Chelsea, a comediante americana de apelido Handler, é a única coisa de jeito na Netflix.

Na HBO é Undoing…

Fresca, desempoeirada, autêntica, apesar da persona pública, e nada politicamente correta.

Não tem medo de ninguém, o que muito me agrada.

Por outro lado, não ofende gratuitamente, nem se julga avaliadora ou julgadora do caráter alheio.

Mesmo de gente que conhece. Que faria de gente que nunca viu, a não ser por um ecrã de TV.

A fronteira entre a agressividade/ofensa gratuita e a ausência de politicamente correto pura e simples é muito ténue…

E difícil de discernir.

Salvo raríssimas e pontuais exceções, não é má língua, destilar de frustrações, projeção dos próprios complexos.

O que Chelsea faz é humor. E do bom.

E não precisa de se vestir como se fosse para um baile de gala. Ou de máscaras…. Optando muitas vezes por t-shirts básicas.

Quem tem conteúdo de valor não precisa de embrulho, gliter ou purpurinas. Vale por si.

Exceção feita a um pormenor ou outro, sou eu, sem medo da exposição. Revejo-me em quase tudo, exceto na veiculação do pensamento único. Porque o acho perigoso e carta branca para uma ditadura.

Por outro lado, jamais escolheria a política, ou os palavrões, para fazer humor, por ser demasiado básico. Embora entenda por que o faz, pelo momento histórico do país em que vive. De resto, o uso que Chelsea faz dos palavrões é tranquilo. Porque se prende diretamente com a maneira dela de falar.

Faz parte do pacote Chelsea Handler
error: Content is protected !!