Uncategorized

Dar e receber

09/05/2014

Quando éramos crianças, havia uma coisa que o meu irmão mais novo dizia que me tirava do sério. Qualquer coisa que lhe pedisse, ele respondia: e o que é que eu ganho em troca? Aquilo irritava-me imenso, começamos a projetar bem cedinho na vida, porque eu achava que ele tinha de me dar o que lhe pedia e pronto. Era isso que era ser bom, ser amigo, gostar dos outros. Era isso que nos garantia o reino dos céus. Haja em vista o exemplo do JC, que até dava a outra face, de tão iluminado que era. O facto de ter morrido na cruz que nem um condenado era irrelevante. O que interessava era dar, dar, dar. Uma hora o reconhecimento e o retorno vinham, sem termos de nos incomodar a pedir.

Só dar não faz de nós bonzinhos, faz de nós explorados. Só receber não faz de nós espertos, faz de nós gente que explora os outros. Ambas são uma forma de manipulação emocional e tentativa de controlo. Quem só dá, sem aceitar receber, não é generoso, é controlador. Na esperança de que o outro se sinta em dívida permanente, podendo usá-lo a seu bel-prazer. Quem exige só receber, ainda que se ache muito esperto, não passa de um sorvedouro dos recursos alheios, acabando por ficar dependente deles, não desenvolvendo capacidades próprias que são de todos nós. É gente que acha que tudo lhe é devido, sei lá, por obra e graça do Espírito Santo, ou assim. E não, não é mais feliz…

Ninguém é obrigado a dar o resto da vida, sem receber nada em troca. Nós temos de cobrar, sim, pelos nossos recursos e pelo nosso trabalho. É uma troca como outra qualquer. Ajudar é uma coisa, ser explorado é outra.

Há muito essa crença de que se podes ajudar, tens de o fazer. Porquê? Se sabes, tens de partilhar. Por alma de quem? Se tens um talento, tens de o doar. Oi?

Como é que este povo acha que quem só dá, sobrevive? Se há coisa que me revolve as entranhas é: é muito caro. Não, não é caro. É você que não ganha o suficiente. Se acha que tem valor, pague, compre. Se acha que o trabalho dos outros o ajuda, pague por ele, incentive-o, dessa forma, a continuar. Você sabe lá o tempo e o dinheiro que foi gasto para se chegar aonde se chegou. Ai que horror, fiquei lá 10 minutos e cobraram-me 80 euros. Você só ficou lá dez minutos e a sua vida foi resolvida porque quem o atendeu gastou fortunas e anos de vida para aprender a saber resolver o seu problema em dez minutos.

O dinheiro ainda é um tabu, mas é porque, na grande maioria das vezes, somos nós que não sabemos como e quanto cobrar. Aprenda a fazê-lo, a valorizar o que é seu, pode ser que dê mais valor ao trabalho dos outros.

A questão é o custo emocional de cada uma das posições extremadas. E a ciência é não cair na trapaça da ameaça, da chantagem emocional, que é feita. Aprender a receber e aceitar dar é a única forma de manter relacionamentos saudáveis, de não ficarmos dependentes emocional ou materialmente de ninguém, sejam eles a que nível for: afetivo, profissional, familiar, you name it.

O mundo é enorme e está cheio de gente. É seguir em frente e deixar para trás relacionamentos tóxicos, que nos tiram a vitalidade, que fazem de nós extensões da neurose alheia, e nos mantêm presos à nossa, e ser feliz, por inteiro.

Dívidas de gratidão eterna não existem, isso é o primeiro passo para ficarmos presos, sem correntes, para o resto da vida. Deus nos livre…

You Might Also Like

  • Adriana Isabel 11/05/2014 at 05:42

    Adorei estas suas palavras, concordo com todas elas, mas devo referir que não é nada disto que se vê no dia a dia, o dar e o receber, as pessoas cobram sempre por isso, seja no momento seja mais tarde, talvez daí seja tão difícil ter relacionamentos saudáveis e seja também muito difícil ter confiança nas pessoas.

  • Adriana Isabel 11/05/2014 at 05:48

    queria pedir-lhe autorização para colocar este seu post no meu blog, devidamente referenciado.
    :)

    obrigada

    • Isa 11/05/2014 at 12:09

      este blog tem proteção contra cópia, só dá para fazer referência pondo o link ;)
      quanto à sua primeira observação, não dando para controlar o que os outros fazem ou dizem, cabe-nos a nós impedir que essa cobrança nos afete, que não nos deixemos manipular ;) (talvez o post: mind the gap: manipulação emocional e controlo, aqui mais em baixo, lhe dê uma luz sobre essa questão ;)
      Bjo e obrigada :)

    error: Content is protected !!