Uncategorized

Direitos e obrigações

02/03/2012

A gente nasce, vive, morre e não aprende… As únicas relações pessoais saudáveis nesta vida são as que não implicam obrigações. As relações em que ninguém força ninguém a nada. Nada! Muito menos impõe. As únicas dignas desse nome, pelo menos. As relações familiares são a coisa menos saudável do planeta e por isso é que nelas existem obrigações. As de trabalho pior ainda, se é que isso é possível. Todas as outras, todas, não devem implicar obrigações e a confiança deve ser o princípio basilar e que as norteia acima de todas as outras coisas.

As pessoas, por princípio, confiam. Faz parte. Por mais desconfiado que seja o inconsciente coletivo de um povo, e o nosso tem essa particularidade, vejo-a mais como defesa do que como princípio básico do que quer que seja, o ser humano, à partida, confia, porque não tem outro remédio. Nós precisamos uns dos outros. E atraímo-nos uns aos outros pelos motivos mais insondáveis, decidindo ou não ficar na vida uns dos outros. Quando decidimos, relacionamo-nos.

As relações, por mais esquizofrenicas que nos possam parecer, são uma via de mão dupla, sempre. As pessoas estão nas relações porque querem, porque precisam e apenas enquanto existirem motivos para isso, sejam eles esquizofrenicos ou não. E o que fazemos em nome da nossa relação com os outros fazêmo-lo de livre, espontânea e boa vontade. E fazêmo-lo por nós, sempre, nunca pelo outro. Fazemos o que achamos que devemos fazer, o que podemos fazer, apenas e só. Nós só fazemos o que queremos, pelos motivos mais obscuros, mas só fazemos e estamos porque queremos e com quem queremos.

As únicas relações que valem a pena são as relações em que não há obrigações, em que não há cobranças. Estamos todos de livre, espontânea e boa vontade. Repito isto quantas vezes forem precisas.

E é por isso mesmo que tudo acaba, tudo, no seu tempo, seguindo a ordem natural das coisas ou a ordem forçada das coisas, acusando a pressão ou o desgaste, o que seja. Racional e emocionalmente, tudo acaba. Sem dramas, há coisas muito piores nesta vida, crianças a morrer de câncro, por exemplo.

*As relações só são possíveis quando ambos abandonamos o ego. De outra forma, são quatro as pessoas envolvidas: duas reais e duas imaginárias.

You Might Also Like

  • Izzie 02/03/2012 at 17:35

    Qualquer dia pareço uma pipoquete, que só te deixo comentários a dizer que está muito bom e que concordo plenamente.

    • Isa 02/03/2012 at 17:40

      LOL :D, olha, Izzie, acho que não corres esse perigo, tens cérebro e usa-lo, sabe como? ;)
      Bjo, valeu!

  • Espiral 02/03/2012 at 18:10

    Eu nisto das relações sigo muito a vertente sistémica 1+1= 3 ( eu. tu e o nosso relacionamento).

  • error: Content is protected !!