Ditadura

08/02/2021

Sim, leu bem. Estamos a viver uma Ditadura.

Não somos só meia dúzia de maluquinhos. Não somos, nem nunca fomos, negacionistas, conspiracionistas, paranóicos, egoístas, anti-vax, fascistas de extrema-direita, racistas, xenófobos, x-fóbicos…

E todo um rol de insultos e acusações de gente que não consegue calar-nos com argumentos lógicos e racionais. Provas e contra-provas. Sem recorrer ao insulto, à agressividade, à violência, à coerção.

Já sabemos o que isso significa…

Somos homens e mulheres, de todas as idades, cada dia mais. Somos médicos, jornalistas, juristas, virologistas e cientistas.

Bem como agentes de forças de segurança, donos de pequenos negócios, e artistas. Cidadãos comuns, pais e mães de família. Gente livre e consciente, que apenas quer as suas vidas de volta.

A sua dignidade devolvida.

Acima de tudo, não somos ativistas. Muito menos temos agenda política.

Os que ainda cá estamos. Que não nos perdemos para o suicídio, as overdoses, de álcool ou drogas, os ataques cardíacos. Ou a violência doméstica, o crime, o desespero absoluto.

E não estamos dispostos a viver numa ditadura.

Fechados, como se fossemos animais selvagens. Controlados pela polícia, como se fossemos criminosos. Abordados por concidadãos, como se fossemos crianças ou leprosos.

Somos LIVRES. E, enquanto adultos e cidadãos que pagam impostos, temos direito à autonomia, liberdade de expressão, de acesso à informação livre e independente, e à liberdade de movimento.

É uma ditadura sim, o que estamos a viver.

Infelizmente, não só em Portugal. Há dezenas de médicos, cientistas, investigadores, silenciados. Toda a Big Tech como Facebook, Twitter, YouTube, Google, censuram há anos, agora de forma escandalosa, informação que divirja da veiculada pelos Meios de Comunicação de massas.

Que adotam o mesmo discurso, a mesma narrativa. BBC incluída.

Meios de comunicação esses que não divulgam manifestações por essa Europa fora contra os Lockdowns. Motores de busca que eliminam dados sobre causas de morte por suicídio e outras doenças.

Líderes políticos de todos os países da UE, entre outros Estados ditos democráticos, a adotar o mesmo discurso.

Quando não há contraditório, a narrativa é dominante, não há espaço a liberdade de pensamento, de opinião credível e com bases científicas.

Quando nem questionar se pode…

Em particular, quando se silenciam, à força, vozes discordantes, alegando todo o tipo de formas de manipulação emocional, psicológica, não há democracia.

E a propaganda é, como todos infelizmente sabemos, a arma mais poderosa dos ditadores.

Crianças vêem o acesso à educação negado. O acesso a livros é proibido. Bem como a livre circulação.

Em Portugal, temos um Governo que mente, manipula e coage cidadãos. Bem como um PR eleito por 20% dos eleitores, que, por resolução de conselho de ministros, que NÃO tem força de lei, declara criminosas pessoas que saem de casa.

Um Ministério da Administração Interna que OBRIGA, de forma ILEGAL, a que multas por violação INCONSTITUCIONAL de confinamento sejam pagas na hora.

A Constituição da República Portuguesa é violada todos os dias, há meses sem fim.

Temos polícias a perseguir surfistas, a abordar e deter pessoas porque passeiam à beira-mar. Sem máscara…

Por outro lado, o Salgado continua solto. O Sócrates idem. E o Governo continua no poder. Em parceria com um PR que foi eleito, repito, com 20% dos votos dos portugueses. Portanto, longe de os representar.

No entanto, o perigo são os surfistas e os desportistas… As crianças e jovens, “assintomáticos” que vão à escola. Que se encontram com os amigos. Que se divertem.

E os velhinhos que saem de casa para ir à Missa…

Acima de tudo, o problema é, por exemplo, visitar entes queridos. Abraçar filhos e netos. Tocar-lhes…

Isto é uma INSANIDADE.

Tomemos as nossas vidas de volta. Desobediência Civil já. O Direito à Resistência é inalienável.

O Dr. Rui Castro, a cara dos Juristas pela Verdade, disponibiliza várias minutas a serem preenchidas e enviadas às entidades competentes, em caso de multas e detenções por violação de recolhimento e não uso de máscara na via pública. Bem como de recusa de testes e vacinas Covid.

Ainda vamos a tempo de reverter o que já é o maior crime contra a humanidade.

E que envolve organizações internacionais, tais como: OMS, ONU. Fórum Económico Mundial e União Europeia…

Ainda vamos a tempo de travar esta Agenda. Falem, denunciem, não se calem. Não pactuem mais com este Genocídio.

Em Portugal, os tribunais ainda são o único garante de justiça e liberdade. Enquanto o Governo não conseguir impedi-los de atuar.

Eu confio na justiça portuguesa. Tive o melhor exemplo em casa. 

Por isso, é importante agir. Não nos encolhermos. Conhecermos os nossos direitos e deveres.

error: Content is protected !!