Uncategorized

Milagres da natureza

07/05/2008

B, amigo das couves, da horta e da natureza em geral, pergunta-me se pode pôr uns vasinhos na minha varanda. Digo-lhe que sim mas que não espere grandes cuidados da minha parte, já me dá trabalho suficiente lembrar-me que tenho de cuidar de mim… Vasinhos bebem água quando chove e, ocasionalmente, quando me lembro de lhes dar. Nunca tanta quanta desejariam…

A única coisa que cresce são ervas daninhas, arranco-as e sigo a minha vidinha.

Sem que tivesse mexido uma palha, eis que me nasce uma couve e uma alface, qual delas a mais frondosa. Telefono e dou o recado. Olha, que fixe, é porque pegou… [Nos outros dois vasos há um cacto e uma merda qualquer que não sei o nome mas que é pior do que uma praga de gafanhotos, propaga-se a olhos vistos.]

Agorinha mesmo fui à varanda, pra falar ao telefone, e noto que, para além da frondosidade da couve e alface, eis que a própria da couve me presenteia com um enorme pé cheio de flores amarelas pequeninas e giras, com não sei quantos botõezinhos prontos a abrir em mais florzinhas. E foi de um dia para o outro, juro que foi, que ontem não estava ali nada daquilo, que era só verde, apenas verde…

É por isto que gosto da Natureza, por ser auto-suficiente. Muito mais inteligente do que nós, seres muito pouco autónomos que precisamos de cuidados uma vida inteira…

You Might Also Like

error: Content is protected !!