Traduções de Artigos de Psicologia

O que é o amor verdadeiro?*

17/07/2013
Gostaria de deixar claro algo sobre o amor… Acredito que no fundo cada um de nós sabe o que é o amor verdadeiro, mas, apesar de o sabermos, ao longo do caminho confundimo-nos. Ficamos tão confusos que queremos tornar algo que não é amor em amor, de tal forma que partimos os nossos corações ao tentar fazê-lo. 
O que é o amor verdadeiro?
O amor verdadeiro não são borboletas no estômago ao primeiro olhar ou ao primeiro beijo. É amizade, é perceber que gostamos de passar tempo com aquela pessoa, tempo que não implica apenas envolvimento físico. 
Amor verdadeiro não são presentes, status ou doações caras. É correr à chuva, ir ao cinema, passear e partilhar pensamentos. É querer agradar um ao outro e ser atencioso.
O amor verdadeiro não é egoísta. É pôr o outro, sempre, antes de nós.
Amor verdadeiro não é dar desculpas. É saber sem qualquer dúvida que o que quer que seja que nos incomode é simplesmente um mal-entendido, facilmente esclarecido numa conversa rápida.
Amor verdadeiro nao é quando sentimos alívio quando ele telefona/manda uma mensagem, mas quando nos acalmamos e ficamos em paz com a calma na voz dele. Amor verdadeiro não é perguntarmo-nos se ele vai telefonar, é saber que ele vai. 
Amor verdadeiro não é quando ele nos abre a porta do carro por mera cortesia. É quando ele nos abre a porta do carro e olha nos nossos olhos para se certificar de que estamos confortáveis. 
Amor verdadeiro não é mandar mensagens ou falar a noite inteira por termos medo de não termos outra oportunidade para falar no dia seguinte. É quando dizemos boa noite sabendo que haverá amanhã.
Amor verdadeiro não é esperar por um momento x para falar depois de um date. É um desejo avassalador de ficar em contacto assim que nos separamos. 
Amor verdadeiro não é quando nos sentimos vulneráveis. É estarmos vulneráveis, mas ainda assim sentirmo-nos fortes.
Amor verdadeiro não é indiferença, é mostrar interesse pelo que nos interessa, mesmo que não lhe interesse. 
Amor verdadeiro não é ter receio de expressar preocupações pelo medo de complicar o relacionamento ou de ser chamado de emocional. Amor verdadeiro é cheio de preocupações, conflitos e emoções. 
Amor verdadeiro não é pisar em ovos com medo de fazer/dizer algo errado. É o poder de ser aceite, querido simplesmente por sermos nós mesmos, com os nossos defeitos.
Amor verdadeiro não é ciúme, é confiança e sabermos que somos únicos na vida do outro.
Amor verdadeiro não é velocidade de cruzeiro. É estar no oceano, no meio de uma tempestade, com trovões, relâmpagos e ondas gigantes e assustadoras. 
Como saber se alguém o ama verdadeiramente?
Sentimos que nos amam se e quando ficam perto de nós durante a tempestade e sorriem, ainda nos tendo nos braços quando a tempestade passou. Se tem de ficar sentado e perguntar-se: e se eu tivesse dito x ou feito y de outra forma ele não deixaria de estar apaixonado por mim, então é porque não era amor verdadeiro.
Paixão, luxúria ou desejo são emoções que não permanecem fortes ao longo do tempo e com qualquer perturbação começam a desvanecer e um fica sem nada. Nos relacionamentos de amor verdadeiro, quando essas emoções desvanecem ficamos com um amigo e com o respeito do outro, com alguém que nos quer ao lado e que ficará ao nosso lado. Alguém que, como nós, vê a chama a morrer e em vez de virar costas e acender a chama noutro lugar qualquer, continua a trabalhar para acender a nossa chama, soprando-a para a tornar maior. Continua a procurar e a encontrar pequenos galhos secos para adicionar à chama, como nós o fazemos. São precisas duas pessoas para manter a chama acesa. Se é apenas uma a fazer todos os esforços, a chama simplesmente acabará por morrer. 
Lembre-se que luxúria e paixão não duram sempre, não mantenha as lentes cor-de-rosa apenas por não querer admitir que acabou. Aceite como é, desejar alguém ao ponto de nos rendermos é ótimo, mas é o que é, uma redenção a um momento específico. Recomponha-se e encontre alguém que o ame por ser quem é, além de pura luxúria, além do desejo avassalador, alguém que seja um amigo verdadeiro, alguém que lhe dê tanto quanto você dá. 
Não perca o seu tempo
Seja você mesmo – Se não quiser perder o seu tempo com alguém que pode não estar apaixonado por si, seja você mesmo, não guarde nada. Se der por si hesitante em fazê-lo, esse é o seu primeiro sinal de alarme. É melhor descobrir cedo do que tarde, se está mesmo na sua ou apenas interessado no seu físico.
Tenha os seus próprios interesses/passatempos – quando vir que está a tornar-se obsessivo, dê um passo atrás e veja de outra perspetiva. Não se esqueça que também tem uma vida e que ainda não gira à volta da outra pessoa, nem a sua vida deve girar à volta de ninguém. Deve ter sempre uma certa dose de independência (descubra o que é uma dose saudável para si). Se viver para outra pessoa acabará por se ressentir, porque a outra pessoa, por mais que goste de si, não pode fazer de você o centro da vida dela para tudo. 
Seja confiante/independente – desenvolvendo o ponto anterior, se tiver os seus interesses será mais confiante e naturalmente aparecerá como independente. Ninguém gosta de alguém super carente. Quando vêem que precisam de se esforçar para ter um pouco da sua atenção, vão apreciá-la mais. E se no fim as coisas não funcionarem não será o fim do mundo, porque há outras coisas na sua vida que a vão manter importante e valorizada. 
Não fique confusa – Se se sentir minimamente confusa em relação ao que outra pessoa sente por si, é porque ela não está a levar o relacionamento a sério. Quando alguém é sério não deixa margem para dúvidas. 
Não ouça, observe – Qualquer um pode prometer qualquer coisa, é a ação por detrás das promessas que nos fala do caráter da pessoa. Ações sem palavras são confusas (ver ponto anterior) e palavras sem ações são apenas palavras. Certifique-se de que há um equilíbrio entre ambas. 
Não confunda paixão com amor – sei que é fácil, mas se vir sinais de alarme não os ignore. Só irá tornar o fim mais difícil. Veja as coisas pelo que são. Se quiser divertir-se, aproveite, mas se quiser profundidade e algo significativo, não arranje desculpas para o resto.
*Via (tradução minha)

You Might Also Like

  • Alix 17/07/2013 at 17:52

    gostei de ler :)

    • Isa 17/07/2013 at 17:55

      vai que a gente se confunde… :)

    error: Content is protected !!