Pedras

19/07/2020

Sou capaz de ficar que tempos a olhar para a água a correr em rios, ribeiros e riachos. Cristalina, impermanente, em  sulcos, passando por cima de pedras e rochedos, livre, dentro das margens que a orientam na direção certa, por um espaço cada vez maior, até chegar ao mar e se libertar de tudo para sempre, na companhia de outras tantas águas, que entretanto se lhes juntaram, numa massa uniforme, onde mais nada se distingue. 

Tal como me fascinam as pedras, polidas pela água, que lhes dá um brilho especial, sequer se confundem com os cristais de areia refletidos pelo sol.

Fascinam-me em particular as pretas, brilham mais do que as outras, são às dezenas, de todos os tamanhos e formas, arredondadas ou achatadas, pelo contacto umas com as outras, e polidas nas extremidades pela água e a areia.

Fascina-me a sua permanência

A forma como a natureza se encarrega de adaptá-las, para que não se percam, não sejam levadas pelo mar, permaneçam na areia aos milhares, todas juntas, tornando-as inclusive mais bonitas, menos rústicas, protegendo-se umas às outras da força das marés.

Ambas me encantam

A água que corre livremente, indiferente aos obstáculos, não se deixando intimidar por eles, muito menos perde de vista o destino final.

E as pedras, que escolheram ficar umas com as outras, adaptando-se aos elementos que, inclusive, as aperfeiçoaram, sem arestas ou vincos nas superfícies. Às vezes, têm um risco branco ou dois, fazem lembrar gatos, ou doninhas, sem o cheiro pestilento destas.

As águas fundem-se numa massa indistinta, sem qualquer tipo de peculiaridade.

As pedras juntam-se, sem perderem a sua forma, a sua identidade, embora adaptadas. Para que consigam sobreviver à pressão que exercem umas sobre as outras, à areia e ao vento. E à água do mar, que lhes dá um brilho especial, parecem de veludo, que perdem quando lhes pego e as trago para casa.

Talvez as ponha dentro de água, só para as ver brilhar.

Descubro que este é o terceiro texto que escrevo com o título: pedras.

E que cada vez gosto mais delas.

 

error: Content is protected !!