A vida a repetir os mitos – O rapto de Perséfone

24/05/2018

Fui a dois casamentos na Roménia, de duas romenas com dois alemães. O meu realizador preferido perguntou-me se era o mesmo, tamanha a coincidência. No entanto, parece que não foram só estes, vai saber o que atrai romenas e alemães…

Nestes casamentos, uma das tradições é que a noiva seja raptada durante a cerimónia.

O rapto de Perséfone

Como não tem nada a ver com a nossa tradição, lembro-me de achar estranho. Ninguém soube responder-me de onde vinha tal coisa, quando perguntei o motivo.

Só sabiam que era tradição.

A ler sobre Perséfone, a Rainha do submundo que foi raptada pelo tio Hades, e levada para “o inferno” enquanto jovem, descubro que, na dinâmica de relacionamento entre ela e a mãe, um homem é considerado intruso.

O casamento é um ritual que representa o fim da inocência, da infância, e o início da idade adulta. Que implica um corte do cordão umbilical com a mãe. O que, para mulheres tipo Perséfone, com mães tipo Deméter, é dificílimo, porque ambas estão confortáveis nessa dinâmica.

No outro dia, falava com o Nuno sobre este mito e ele contava-me que, numa apresentação, o António Sarpe, Diretor da Escola de Biodanza de Lisboa, dizia, e concordei, que o rapto de Hades era o masculino, o animus, de Perséfone a tomar uma atitude em relação àquele excesso de feminino. Obrigando Perséfone a contactar com o seu oposto e a relacionar-se com ele. Oposto esse que é masculino e que traz equilíbrio psíquico à jovem Perséfone, ao mesmo tempo que lhe incute um drive de ação, típico do masculino, segundo Jung, que lhe permite sair da passividade de filha para o mundo exterior.

Queres saber mais?

cursos@isabelduartesoares.com

error: Content is protected !!